Sistema de apoio ao aprendizado a distância brasileiro pode ganhar apoio da Dataprev

Aqui no blog estou sempre falando e mencionando o uso do Moodle como ferramenta de apoio e gerenciamento de cursos a distância, o motivo é simples, utilizo esse sistema já faz muito tempo em vários cursos que projetei e ajudei a implementar. Fora isso, o Moodle é um sistema LMS consagrado no mundo todo! Várias universidades e instituições de ensino, sem falar de empresas, usam o Moodle como seu sistema principal de ensino. Inclusive o Moodle é usado pelo governo federal em vários projetos envolvendo EAD.

Hoje o foco desse artigo é uma possível sinalização de mudança por parte do governo federal, em adotar um sistema LMS nacional chamado Amadeus. Esse sistema é desenvolvido pelo centro de informática da UFPE e chamou a atenção da Dataprev, que fez uma visita ao centro para conhecer a avaliar o sistema. Você pode conferir o texto da notícia aqui.

Mas e o Amadeus? Qual o motivo de tanta atenção? Depois de fazer uma visita ao web site oficial do sistema, fica claro o interesse da Dataprev no Amadeus. O conceito de blended learning que ele apresenta é muito interessante, e está totalmente dentro do contexto tecnológico atual. Posso dizer até mais, esse conceito está muito a frente do que podemos oferecer em termos de tecnologia educacional no Brasil.

Ele funciona assim, o Amadeus disponibiliza de maneira nativa, integrados ao seu sistema a possibilidade de oferecer conteúdo educacional para desktops, celulares, PDA`s e futuramente até TV interativa. Tudo isso sem a necessidade de usar módulos ou plugins extras, como acontece no Moodle.

Isso é muito legal do ponto de vista tecnológico. Mas e o aluno? Posso dizer que esse conceito de blended learning está à frente da nossa realidade, em que nem todos os usuários e estudantes têm acesso a internet ou smartphones.

Antes que você vá correndo fazer testes com o Amadeus, ele ainda está em desenvolvimento e não deve ser usado em ambientes de produção. O sistema ainda está em Alpha, mas mostra muito potencial! Sendo software livre, pode trazer opções interessantes para concorrer com o Moodle.

Vou ficar de olho no Amadeus e acompanhar de perto o seu desenvolvimento, pois o sistema é muito promissor. Para saber mais sobre a técnica do Blended Learning e do projeto Amadeus, recomendo a leitura desse artigo científico que foi escrito por pessoal da própria UFPE, envolvidas no projeto.

E para saber ainda mais, como telas do sistema e exemplos do seu uso, faça o download desta apresentação em PowerPoint do projeto, disponível no web site da ABED.

Cuidados no uso de Wikis para apoio educacional

O uso de Wikis como apoio em sala de aula já foi discutido aqui no Blog, várias vezes com dicas sobre como começar e implementar esse tipo de recurso em sala de aula. Você já tentou passar uma tarefa relacionada com Wikis para seus alunos? Caso já tenha tentado, parabéns pela iniciativa, mas se ainda não tentou, recomendo a leitura desse artigo em que um professor comenta a experiência de ter passado para seus alunos a tarefa de fazer um sumário da sua disciplina, com base em Wikis.

Qual o resultado?

sillies

No texto ele comenta alguns resultados positivos e negativos em relação à iniciativa. Entre os positivos está a integração dos alunos e o trabalho em equipe, que é inevitável na aplicação de Wikis.

Os bons alunos tiveram desempenho semelhante no uso da Wiki e apresentaram conteúdo compatível com desempenho na sala de aula presencial.

Acho que os pontos positivos estão claros, portanto vamos focar os pontos negativos, que interessam a todos que pretendem usar esse tipo de iniciativa:

  • Dificuldade em estabelecer critérios de participação: Esse tipo de tarefa, que provavelmente foi usada como instrumento de avaliação, pode fazer os alunos editarem conteúdo bom, apenas pelo fato de gerar atividade na Wiki.
  • Alunos com baixo desempenho editando a Wiki: No final do semestre, os alunos com baixo desempenho, precisam mostrar ao professor que participaram da Wiki. Então eles acabam editando o conteúdo, com informações e opiniões erradas. O que pode prejudicar a qualidade geral da Wiki.

Essas foram as duas maiories dificuldades encontradas pelo professor na aplicação das Wikis. Como resolver isso? Em minha opinião esse tipo de problema foi gerado pela maneira com que o professor implementou a Wiki. Veja o que ele não deveria ter feito:

  • Usar a Wiki como tarefa com tempo indeterminado ao longo do semestre
  • Permitir que todos a todos os alunos editar o conteúdo
  • Não travar o conteúdo que não precisa mais se editado

Com esse exemplo, podemos delimitar algumas pequenas regras para garantir o bom andamento e aproveitamento desse tipo de atividade na web:

  • Usar prazos curtos
  • Segmentar os alunos em vários pequenos grupos

Com esses dois procedimentos simples, esse tipo de atividade se desenvolve de maneira mais eficiente nas aulas.

Por que motivo as instituições de ensino preferem softwares abertos?

Hoje eu estava lendo um artigo sobre a forte demanda por soluções baseadas em software aberto, para instituições de ensino, e como essa demanda só tende a crescer nos próximos anos. Depois de ler o artigo, fiquei pensando se esse mesmo fenômeno pode acontecer nas instituições de ensino do Brasil, no caso o artigo não faz menção a um país específico, mas são claramente voltadas as instituições do hemisfério norte. O que falta para que esse tipo de software e serviços como esses ganhem mercado aqui?

Antes de chegar a uma conclusão sobre o assunto, vamos pensar um pouco mais sobre a dinâmica de uma instituição de ensino. Uma instituição de ensino é uma prestadora de serviços, uma empresa como outra qualquer, certo? Na verdade não, uma instituição de ensino é sim uma prestadora de serviços, mas dependendo da instituição e da maneira como ela funciona, as suas necessidades e processos internos podem apresentar características únicas.

Stephan, Box Salesman

Eles querem vender, mas será que queremos comprar?

Ai está o maior problema das soluções baseadas em software de código fechado. Por exemplo, quando uma empresa comercializa um sistema de gerenciamento de cursos a distância, ela leva em consideração que todas as empresas envolvidas devem usar os recursos e metodologias disponíveis apenas na sua solução. Mesmo um sistema de gestão acadêmica, considera que as demandas internas de uma instituição são as mesmas, em todas as regiões do país e nas mais diferentes realidades sócio-econômicas.

Agora, imagine a situação; você trabalha em uma instituição de ensino e vende cursos que usam ou são ministrados totalmente a distância. Essa empresa contrata os serviços da empresa X, que comercializa um sistema LMS para que você possa ministrar os cursos. Agora, se outra instituição de ensino concorrente, na sua mesma cidade contrata os mesmos serviços para ministrar cursos a distância, com a mesma metodologia e material. Qual a diferença entre os dois? Quem tem o curso de melhor qualidade? A metodologia é a mesma?

Veja como esse tipo de situação não se sustenta!

Esse mesmo tipo de problema, fez com que a Black Board perdesse uma enorme fatia do mercado nos EUA, para ferramentas livres como o Moodle. Assim que as instituições de ensino começaram a usar o seu sistema, os professores e alunos fizeram pedidos por mais ferramentas e funcionalidades pontuais. Isso aconteceu com mais de uma instituição, e o custo de desenvolver ferramentas educacionais para uma instituição apenas é muito alto, e eles acabaram deixando seus clientes esperando por muito tempo.

Claro que mais fatores influenciaram na derrocada da Black Board, mas esse foi um dos fatores determinantes.

Uma instituição que use o Moodle, por exemplo, pode personalizar a maneira com que suas aulas são ministradas e organizadas. Se existir um setor de tecnologia, a própria instituição pode desenvolver novos módulos ou funcionalidades.

Assim, é possível dizer que a metodologia usada no curso é sim da instituição, com as devidas adaptações realizadas no sistema de ensino.

Já disse isso aqui uma vez e repito novamente, quem trabalha com esse tipo de serviço, precisa repensar a sua maneira de fazer negócios. O exemplo do que está acontecendo com o Black Board é sério e deve ser levado em consideração.

Mais uma universidade migra para o Moodle

Não é novidade para ninguém, quando sou questionado sobre o melhor sistema LMS para uma instituição de ensino, a resposta é categórica; Moodle! Aqui no Brasil, esse ainda é um assunto polêmico, pois os chamados softwares livres, que são associados com ferramentas gratuitas não são bem vistos por instituições de ensino privadas. Elas ainda preferem pagar pequenas fortunas, para terceirizar o serviço com empresas que vendem um “pacotão”, com sistema LMS e uma suposta metodologia EAD. Mas, existe uma luz no fim desse túnel, pois existe um movimento muito forte, de universidades mundo afora migrando para sistemas abertos como o Moodle.

Sempre que sai uma notícia relacionada com isso, guardo para apresentar em futuros projetos de implantação, para apresentar como documentação de apoio.

Sharjah University City in the morning - "Uni-Stadt" in Sharjah am Morgen

Agora foi a vez da universidade da Louisiana, nos EUA. Eles estão em processo de migração para a plataforma Moodle, e segundo essa notícia veiculada no web site da universidade, eles estão sendo acompanhados de perto pela empresa responsável pelo último LMS da instituição, o difamado BlackBoard.

No artigo, o pessoal responsável pelo setor de tecnologia educacional, fala que eles ainda não estão 100% certos da migração, mas que as expectativas são muito promissoras.

Qual a maior vantagem em usar o Moodle? Não é a metodologia, segundo o artigo o pessoal da universidade está mais animado com a possibilidade de desenvolver as suas próprias ferramentas, com necessidades específicas da instituição de ensino. Eles já haviam solicitado a Blackboard o desenvolvimento de várias ferramentas específicas, mas sem nenhuma resposta. A natureza aberta do Moodle permite que a própria instituição de ensino faça as adaptações.

Mas e os custos? O valor que era pago em licença, agora é destinado à equipe de suporte, para a personalização e adaptação do Moodle!

Essa não é a primeira e nem será a última instituição de ensino a fazer essa migração, o caminho é inevitável. Será o fim dos sistemas LMS proprietários? Não sei dizer ao certo, mas com certeza essas empresas devem passar por profundas mudanças nos seus modelos de negócios, caso queiram continuar inseridas no mercado de tecnologia educacional.

Competências necessárias para usar tecnologia em sala de aula

Quais as competências e conhecimentos necessários para usar tecnologia (internet), em sala de aula? Se você é professor ou professora, já deve ter se perguntado isso. Se você já usou alguma ferramenta como o Google Earth nas suas aulas, deve estar se perguntando como melhorar? E para quem nunca teve essa oportunidade, deve estar mais “perdido” ainda, sem saber como começar.

Essa é uma das perguntas que me fazem com freqüência, professores querendo usar internet e tecnologia como apoio nas suas aulas, mas sem saber como fazer para implementar os recursos e organizar o seu plano de ensino. Até pouco tempo atrás, bastava saber montar as aulas no PowerPoint que era suficiente, mas hoje a demanda está muito maior!

pilotexhibition

Então, compilei uma pequena lista com os recursos que devem ser evidenciados no seu estudo:

  • Usar de maneira eficiente uma ferramenta de busca: Quando você precisa pesquisar material para aulas, muito provavelmente deve recorrer ao Google. Saiba que a busca no Google, pode ser melhor executada com o uso de operadores de pesquisa, que filtram de maneira surpreendente os resultados e podem trazer conteúdo interessante para as suas aulas. Qualquer professor que precise preparar material para aulas, deveria conhecer e aplicar esses operadores, na busca por material para ilustrar e enriquecer suas aulas. Além disso, existem opções como o próprio Google Acadêmico.
  • Conhecer e usar redes sociais: As redes sociais podem trazer ainda mais conteúdo para quem precisa estar sempre pesquisando. Redes como o del.icio.us permitem que você pesquise pelos favoritos que outros usuários com interesses semelhantes aos seus, salvaram e acham importante. Esse tipo de pesquisa trás resultados diferentes da pesquisa do Google. Ainda temos uma infinidade de redes, que já foram abordadas aqui no Blog como o SlideShare e teacherTube.
  • Saber como funcionam Blogs e Wikis: Os responsáveis por boa parte do conhecimento gerado no meio acadêmico são professores e pesquisadores que publicam comentários e atualizações sobre suas pesquisas, nas mais variadas áreas em Wikis e Blogs. Um professor que queira usar internet como apoio, deve saber como usar esses sistemas em proveito das suas aulas, quem sabe até usar ele como ponte para trazer o pesquisador para a sua sala de aula, mesmo que de maneira virtual.
  • Conhecer e usar RSS: O RSS é uma ferramenta extremamente poderosa para quem gera conteúdo! Os professores que usam com eficiência esse recurso podem acompanhar atualizações em web sites de maneira automática. Assim você estará sempre atualizado nos assuntos relacionados a sua aula.
  • Saber como funciona e internet: Não leve essa recomendação ao pé da letra, você não precisa conhecer os protocolos de transmissão de dados, mas sim a maneira como as coisas acontecem na internet e como ela revoluciona a educação. Por exemplo, saber o que são os sistemas LMS como o Moodle, podem evitar que você seja surpreendido quando a sua instituição de ensino comece a usar ensino semipresencial. Muitos docentes ainda ficam distantes do computador como ferramenta de estudo, se limitando apenas a usar o e-mail. Se esse é o seu caso, mude a sua mentalidade o mais rápido possível!

Bem, acho que isso resume bem as competências e conhecimentos necessários para os professores que queiram usar tecnologia como apoio em suas aulas. Repare que as recomendações levam para a criação do ambiente pessoal de aprendizagem, que já havia sido comentado aqui no Blog.

Pronto! Agora você já sabe por onde começar. Agora é só colocar a mão na massa e adaptar o seu plano de ensino, para usar tecnologia.

Lembre que o número de alunos que usa internet, pelo menos para entretenimento está crescendo. O avanço da economia está fazendo com que cada vez mais pessoas comprem seu primeiro computador. Em pouco tempo, isso será sentido em sala de aula. Basta um professor começar a usar internet como apoio, que os alunos começam a perguntar para os outros professores “Por que sua aula não está na internet também?”. Qual será a resposta do professor?