Opção gratuita de hospedagem para o Moodle

Um dos grandes limitadores para professores interessados em usar a internet como apoio é a falta de opções gratuitas, para oferecer disciplinas ou cursos a distância usando oMoodle como plataforma. No caso de blogs existem inúmeras opções gratuitas como o WordPress.com e BlogSpot. Até mesmo as Wikis têm opções gratuitas para uso na sala de aula, como apoio para professores. Na última semana descobri um sistema que oferece exatamente essa possibilidade, chamado de GlobalClassroom, em que um professor pode se cadastrar e criar uma sala de aula virtual.

O sistema ainda está em fase beta, mas é uma das poucas opções para hospedar de maneira gratuita uma sala virtual no Moodle.

Research Consultants

O serviço que permite criar salas de aula gratuitas se chama eClassroom e tem algumas limitações, como qualquer serviço gratuito na internet. Mas, pode ser uma ótima porta de entrada para professores interessados em conhecer mais o Moodle, sem estar necessariamente em um ambiente de produção.

Outra opção interessante no sistema é a possibilidade do serviço ser utilizado por instituições de ensino, que não gostariam de cuidar da instalação e manutenção do Moodle. Nesse caso existe um módulo parecido, mas direcionado para uso de instituições de ensino chamado de eSchool. Mesmo com o sistema estando apenas disponível na língua inglesa e em estágio beta, ainda é um ótimo recurso para colocar em prática alguns testes com o Moodle, sem comprometer a comunicação com seus alunos.

Já tive oportunidade de conversar com muitos educadores que tinham receio de usar o Moodle, pelo simples fato de nunca ter tido o contato com o sistema e ficarem com medo de não aplicar de maneira correta o mesmo nas suas aulas. Com o GlobalClassroom é possível colocar esse medo de lado, e fazer um teste, com o acesso compartilhado entre outros colegas professores para fins experimentais.

Essa inclusive é uma excelente opção, convidar alguns professores para participar de um curso online em caracter experimental no sistema. Assim é possível praticar a criação do curso, e também o gerenciamento dos recursos e dados gerados pelos alunos no acesso. Com isso ficará difícil dizer que você nunca teve oportunidade de conhecer o Moodle!

Tarefas com envio de arquivos no Moodle para cursos a distância

O Moodle oferece algumas ferramentas e opções muito interessantes, para professores e instituições de ensino que pretendam usar a internet como apoio ao ensino. Uma dessas opções mais úteis depois dos questionários é a tarefa com envio de arquivo, em que o professor ou tutor pode elaborar uma pesquisa ou tarefa, resultando em um arquivo de texto, planilha ou apresentação. O sistema pode recolher o arquivo e organizar o material para o professor de maneira automática, com algumas vantagens como a possibilidade de adicionar comentários e prazos com data e horário para o envio do material. Na maioria dos casos, os professores recebem o material dos alunos por e-mail, o que pode gerar envios fora do prazo e uma certa confusão no professor.

Pois, as mensagens dos alunos se misturam com mensagens relacionadas com outros assuntos. Caso você não conheça esse tipo de tarefa no Moodle e gostaria de visualizar um pouco do seu funcionamento, encontrei três ótimos vídeos elaborados pela Universidade de Nova Jersey nos EUA, que ensina muito bem o funcionamento desse tipo de tarefa.

O primeiro vídeo mostra uma introdução breve às tarefas no Moodle, com as diferenças entre os tipos. Por exemplo, existem tarefas de envio de arquivo, texto online e outras.

No segundo vídeo, o pessoal da parte tecnologia voltada à educação, mostra o funcionamento do envio avançado de arquivos para essas tarefas. São explicadas as funções de cada um dos itens de configuração, assim como as limitações e restrições que podem ser impostas aos alunos.

O último vídeo é o mais interessante para tutores e professores envolvidos com cursos e iniciativas de EAD. Ele mostra como é possível organizar as notas atribuídas aos alunos, assim como o feedback em texto que pode ser associado a cada tarefa enviada. Por exemplo, os alunos podem enviar os arquivos para o Moodle, e o tutor vai atribuir uma nota ao trabalho ao mesmo tempo em que adiciona um breve comentário, justificando a avaliação e quem sabe até fazendo sugestões para melhorar o trabalho.

Esse tipo de recurso é fantástico para gerenciar projetos que envolvem muito tempo de desenvolvimento, pois o professor ou tutor pode atribuir notas aos arquivos e solicitar que os alunos refaçam uma parte específica do trabalho. Enquanto o prazo do material estiver vigente, os alunos podem enviar novos arquivos com atualizações nos seus projetos.

Alguns erros comuns em projetos de cursos EAD

Os motivos que geralmente fazem um curso a distância fracassar, geralmente são parecidos em todos os casos, pois são fruto da falta de experiência ou planejamento da instituição de ensino ou do desiger instrucional. Um dos motivos mais comuns está relacionado com o baixo investimento em tutoria, e não estou falando de investimento financeiro, mas sim da baixa importancia que a tutoria tem nos cursos.

Como sempre é bom relembrar os principais motivos que fazem esses cursos fracassar, recomendo a leitura desse artigo listando esses motivos para a falta de sucesso dos cursos. O texto está em inglês, mas ainda assim quase todos os aspectos abordados no artigo se aplicam a realidade das nossas instituições de ensino e projetos de curso.

horizontal

Esse é um breve resumo do conteúdo apresentado no artigo, com alguns comentários.

  • Depois que o curso for lançado, ele não precisa mais de suporte: Muitas instituições de ensino acham que um curso pela internet, pode sobreviver sem nenhum tipo de manutenção, o que é um absurdo. O funcionamento desse tipo de iniciativa é semelhante aos cursos presenciais, eles precisam de acompanhamento constante.
  • Ignorar o público-alvo: No projeto do curso é necessário antes de qualquer planejamento, identificar e mensurar o público-alvo, para que as iniciativas e material didático possa ser planejado especificamente para essas pessoas.
  • Não se preocupe com o material didático: Os cursos EAD são basicamente fundamentados em auto-estudo. O que faz o material didático parte fundamental de qualquer iniciativa de aprendizagem pela internet. Deixar esse tipo de
  • Não escolher de maneira adequada o LMS: Essa é uma parte do planejamento em que muitas instituições de ensino acabam sacrificando um bom design instrucional, com a escolha de um LMS deficitário. Antes de fazer a escolha do sistema, faça pesquisas e procure se informar sobre a opinião do sistema escolhido para fazer comparações com a aplicação em outras instituições.
  • Não é necessário ensinar aos alunos como funciona o sistema LMS: Com o LMS definido é hora de ensinar aos alunos os procedimentos necessários para usar o sistema. Não assuma que a interface é intuitiva, ensine tudo que os alunos precisam aprender. O erro mais grave que um projeto pode cometer é assumir que os alunos já conhecem alguma coisa.

Para conferir mais alguns itens, com comentários mais abrangentes do tipo mito vs. realidade, visite o artigo original.

A lista mostra alguns problemas que podem ser facilmente evitados e contornados com simples planejamento. Por isso é que a equipe de design instrucional precisa planejar e simular os ambientes em que o curso deve ser oferecido. Se os alunos ou laboratórios da instuição de ensino, não oferecerem condições para material didático multimídia a solução é investir em texto.

Um bom LMS é fundamental também, mas é necessário planejar a oferta do curso e também o fechamento dele. É importante simular o fechamento das notas ou resultados, para verificar os relatórios emitidos por esse LMS, para evitar problemas e atrasos na emissão das notas.

Qual o fator mais importante? Bem, acredito que falta de orientação para os alunos é a pior de todas. Se as pessoas não conseguem usar o seu sistema LMS, para localizar os conteúdos e recursos do curso não é possível nem dizer que o projeto falhou, pois ele sequer começou. Antes de qualquer coisa é necessário presumir que os alunos não sabem absolutamente nada! Presumir que as pessoas já conhecem alguma coisa, significa começar errado.

Até que ponto o aluno deve ter controle sobre o aprendizado?

Hoje pela manhã estava lendo mais um artigo sobre educação a distância quando me deparei com um assunto que é ao mesmo tempo, vital de ser compreendido por todos que trabalham nessa área, como é um dos diversos desafios para os alunos que não têm experiência com esse tipo de ensino. O artigo fala sobre o nível de independência que um aluno deve ter em cursos a distância, seja pela internet ou mediante outras mídias assíncronas. O estudo por ambientes assíncronos, em que não há interação com professores ou tutores é o tipo mais utilizado de ambiente nas instituições de ensino que usam EAD no Brasil.

A maioria das atividades são realizadas na internet, sem a presença de um tutor ou professor para auxiliar o aluno. Por um lado, as pessoas que conseguem se adaptar a esse tipo de ambiente, conseguem atingir um incrível nível de independência, que é o grande diferencial dos alunos participantes de cursos EAD. Já o outro lado dessa moeda, abrange os alunos que fazem cursos EAD pelo baixo valor das mensalidades, mas não estão muito interessados nesse tipo de vantagem, apenas na economia da mensalidade.

5th floor study area and computers

O resultado? Muitos alunos insatisfeitos e contribuindo para disseminar a “baixa qualidade” dos cursos.

Claro que existem cursos bons e ruins, até no ensino presencial é assim.

Mas, o aluno deve ou não ter autonomia total? O artigo, que pode ser consultado nesse link, aborda muitos pontos de vista e indica vários autores que comentam o assunto. A conclusão do mesmo é positiva, o aluno deve ter autonomia sobre seus estudos e aprendizagem.

Esse é um conceito moderno e até mesmo liberal de aprendizagem, mas deve ser adaptado às realidades de cada instituição. No nosso país, as instituições de ensino superior formam o local em que as deficiências dos alunos, ao longo do ensino fundamental e médio “explodem”. Nos casos das instituições que ministram cursos EAD, essa explosão é potencializada e muito maior.

Quando o aluno descobre que precisa ler os conteúdos e que nenhum professor vai explicar para ele os assuntos, as dificuldades começam a aparecer. As competências fundamentais como interpretação de texto, organização e raciocínio lógico acabam fazendo falta nesses momentos.

Qual a solução? O aluno deve sim ter autonomia, mas com um pouco de direcionamento, seja por um plano de estudos ou outro documento, que explique e oriente os alunos no aprendizado. Além do conteúdo da disciplina, ainda precisamos ensinar a aprender.

Novas ferramentas e opções para integrar o Moodle com o Second Life

O projeto Sloodle tem como objetivo integrar os ambientes do Moodle com o Second Life, para que educadores possam trabalhar em ambientes tão diferentes sem a perda dos registros dos alunos. Por exemplo, já imaginou como seria ótimo poder usar o Second Life como base para apresentar algum tipo de conteúdo em 3d e ter o registro, dentro do Moodle que o aluno efetivamente visitou aquele espaço no mundo do Second Life? Seria fantástico e um grande avanço na integração dos dois sistemas. O Sloodle ainda não é perfeito, mas a cada nova atualização ele ganha mais ferramentas.

Um vídeo muito interessante foi publicado nos últimos dias, mostrando as novas opções de compartilhamento de conteúdos entre o Moodle e o Second Life.

O vídeo mostra a configuração de um módulo no Sloodle, usando uma apresentação em slides. O módulo no Moodle se chama Sloodle presenter, que permite trabalhar com apresentações semelhantes à slides.

Depois que o módulo é criado, precisamos adicionar várias imagens em seqüência para que a apresentação seja criada. Pode até ser um pouco trabalhoso adicionar várias imagens para criar uma apresentação, mas essa é a maneira mais simples de fazer a integração e controlar o processo, direto do Moodle.

Se for necessário é possível usar web sites e até mesmo vídeos no módulo! O autor do tutorial adiciona esses recursos na página do Moodle, em que o módulo é adicionado.

Quando tudo está devidamente configurado, o autor parte para o Second Life para configurar a ligação com o módulo. Assim que o módulo está com a ligação efetuada, o professor pode passar o material dentro do ambiente 3d de maneira muito semelhante ao que acontece com Slides.

Para os professores de universidades e instituições de ensino que adotam o uso do Second Life como ferramenta educacional, o Sloodle é uma excelente opção para integrar um LMS ao processo e controlar o acesso e os conteúdos dos alunos. Hoje o hype em volta do Second Life é muito menor que há alguns meses atrás, mas ainda assim é uma opção interessante para compartilhar conteúdos e promover uma contextualização mais personalizada.

Como os recursos e largura de banda necessárias para trabalhar efetivamente com o Second Life ainda são de difícil acesso aqui no Brasil, esse tipo de recurso educacional ainda é muito restrito para a grande massa.