Mais um guia sobre as lições do Moodle

Sempre que posso estou comentando sobre as lições do Moodle, pelo seu alto grau de complexidade na parte de planejamento e também no retorno educacional. O uso de questionários com questões de múltipla escolha pode ser uma saída fácil e rápida para a maioria dos projetos de curso, mas em algumas ocasiões é necessário fazer os alunos pensarem. Nessa hora é que os questionários podem ser de grande ajuda. A estrutura de uma lição é muito semelhante a de um fluxograma, em que os alunos podem realizar a atividade de maneira totalmente não linear, e as suas respostas podem condicionar ou atrapalhar o seu desempenho geral.

Por exemplo, podemos configurar três questões dentro de uma lição e para que o aluno passe da segunda para a terceira questão, o mesmo deve responder uma pergunta. Se a resposta for errada, o aluno pode ser direcionado para uma página avisando sobre o erro, ou até mesmo voltar para a primeira questão e ter que fazer tudo novamente.

Como é possível configurar esse tipo de recurso? Se você for usuário do Moodle, ou simplesmente tiver curiosidade em saber como é que esse tipo de atividade é configurada, o vídeo abaixo mostra uma lição sendo configurada. Apesar de estar em inglês, a narração é de fácil entendimento, principalmente se você já usou o Moodle alguma vez.

O processo é bem simples e começa com a configuração geral da lição que é composta basicamente por um conjunto de páginas. Depois que a lição está configurada, podemos começa a adicionar páginas no conjunto. Cada uma das páginas pode apresentar os mesmos itens de uma página web, como material oriundo de sites sociais como o Flickr e Youtube, sem mencionar o uso de apresentações em slides para apresentar conteúdo condensado em slides.

Cada uma das páginas apresenta uma opção para adicionar perguntas ao conteúdo, com várias opções de resposta. Para cada alternativa que o aluno tem de responder, o professor ou tutor pode adicionar um feedback personalizado e também direcionar a navegação para outras páginas.

Depois disso é só disponibilizar o recurso para seus alunos, sem esquecer de oferecer algum tipo de orientação para os mesmos sobre o funcionamento desse tipo de atividade. Se os alunos estiverem acostumados apenas com o uso de questionários, a estrutura de uma lição pode ser um pouco confusa para usuários sem o conhecimento no recurso.

Melhorias nos relatórios do Moodle 1.9.5

Por melhor que o Moodle seja em termos de sistema para suporte a educação pela internet, ainda são necessárias várias melhorias e pequenos ajustes para que o mesmo fique adequado as necessidades de algumas instituições. Um dos pontos que precisa de melhoria é o sistema de relatórios do Moodle, mais especificamente o sistema que simula um tipo de boletim escolar dentro do sistema. Hoje esse sistema é organizado com base apenas nos dados e desempenho direto do aluno, sem o uso de opções e informações extras dos alunos.

Para a próxima atualização do Moodle, que será a 1.9.5, estão sendo planejadas algumas melhorias bem interessantes para o sistema. Entre essas melhorias estão a possibilidade de adicionar novos critérios de classificação para as atividades e até mesmo um ranking interno, para que o professor ou tutor do curso tenha uma idéia da posição do aluno em relação aos outros participantes. Caso você queira acompanhar a lista das melhorias e entender um pouco mais sobre essas novidades, a lista completa de melhorias para o Grade Book do Moodle 1.9.5 pode ser acessada nesse link.

boletim-moodle

Mesmo sendo um grande avanço, ainda credito que o sistema de relatórios do Moodle em relação aos alunos é um dos mais flexíveis e avançados no mercado de sistemas LMS. Apesar de não apresentar algumas ferramentas e opções de maneira nativa, a natureza aberta do Moodle, permite que uma instituição de ensino encomende para um programador ou empresa, a personalização dessa parte do Moodle, para atender seus critérios.

Isso é de extrema importância para a instituição, principalmente se o sistema de avaliação for diferente da escala de notas que estamos acostumados. Por exemplo, e se a instituição trabalhar apenas com conceitos? Como fica? E os sistemas LMS proprietários que só usam escalas com notas?

Um bom sistema de relatórios faz a diferença no final do semestre, quando o professor precisa fazer o fechamento das notas e acompanhamento final dos trabalhos. Caso o Moodle ou o sistema escolhido pela instituição de ensino esteja bem configurado, e o planejamento do curso seja adequado, será apenas questão de exportar o relatório para fazer a consulta dos dados.

Novos projetos e opções para cursos a distância no Moodle

Assim como acontece em todos os anos no início do verão do hemisfério norte, o Google começa a organizar o seu Google Summer of Code, que propõe a vários universitários de instituições de ensino superior, a participação em projetos de software aberto. Por exemplo, um estudante que esteja com tempo livre e queira participar do desenvolvimento desses softwares ou sistemas, pode receber financiamento em dinheiro para dedicar tempo e criar novas funcionalidades para esses sistemas. Todos os anos o Moodle e outros sistemas especializados em educação acabam recebendo parte desse financiamento, e tem um grande avanço na criação de funcionalidades e opções para seus usuários.

Quais os projetos e funcionalidades que devem ser adicionadas, ou ao menos propostas, para o Moodle esse ano?

Abaixo está à lista de propostas para novas funcionalidades para o Moodle, a lista original pode ser encontrada aqui.

  • Possibilidade de criar relatórios de participação personalizados
  • Gravação de áudio para reutilização em cursos no formato síncrono
  • Integração com o Google Gears (para usar o Moodle sem estar conectado a internet)
  • Exportar os dados da configuração do Moodle no formato XML, para reutilização em outros portais
  • Sistema de estatísticas e relatórios baseados em Flash, para prover maior interação visual nos relatórios
  • Ferramenta de desenho integrada ao editor de textos
  • Opção de formatar um curso no estilo de um blog

Entre todas essas opções, duas delas me chamaram a atenção e acredito que sejam as que mais tendem a contribuir, ao menos são visíveis para os alunos.

A primeira é a possibilidade de gravar arquivos de áudio no próprio Moodle, que vai permitir que os professores e tutores ofereçam cursos e material síncrono, e até mesmo façam prova oral a distância com seus alunos! Esse tipo de opção já existe no Moodle, você encontra um módulo dela no Moodle Playpen, ainda em fase experimental.

A outra opção é a formatação dos cursos em formato de blog, que deve ser mais agradável em relação ao que os alunos estão acostumados a encontrar na própria internet. O uso de blogs é muito comum hoje em vários projetos, o que deve minimizar os impactos para as pessoas que nunca usaram sistemas educacionais.

As propostas não garantem que os projetos sejam executados e finalizados, tudo ainda vai depender de algum estudante que queira assumir os projetos.

Só nos resta aguardar e torcer.

Google investindo na integração do Moodle com seus sistemas educacionais

O Moodle está recebendo um incentivo de peso, para ser mais exato o incentivo está partindo de ninguém menos que o Google. Isso pode não ser novidade, pois o Moodle já recebe o benefício de participar de projetos como o Google Summer of Code, em que estudantes universitários em férias no hemisfério norte podem trabalhar na melhoria de softwares com código aberto, e ainda receber incentivo financeiro. Agora, o projeto de incentivo do Google envolve a integração, inclusive de acesso ao pacote Google Apps para educação.

Esse serviço do Google oferece para instituições de ensino interessadas, o uso de toda a infra estrutura tecnológica da empresa, como os sistemas de e-mail baseados no Gmail ou edição de documentos com o Docs, para a instituição de ensino. Por exemplo, caso a sua instituição de ensino queira oferecer aos alunos a possibilidade de ter um e-mail, usando o domínio da instituição de ensino, você pode usar a estrutura de armazenamento do Gmail, inclusive para a manutenção.

Para conhecer um pouco mais sobre o funcionamento do Google Apps para educação, recomendo assistir ao vídeo abaixo, em que o sistema e seu conceito são explicados:

O que eles estão se propondo agora, em parceria com o Moodlerooms, é integrar o sistema até mesmo com compartilhamento de usuários e senhas, com o Moodle.

Essa integração funcionaria assim:

  • Os alunos poderiam usar um usuário e senha para acessar os seus e-mails e serviços oferecidos pelo Google Apps para educação:
  • Com o uso do mesmo usuário e senha, os alunos poderiam acessar os cursos virtuais no Moodle.

A vantagem da integração está na facilidade para os alunos, pois em algumas situações o acesso ao Moodle ou sistemas LMS é feito com usuários e senhas diferentes. O que pode ser inconveniente para alunos sem intimidade com tecnologia, ou que simplesmente não gostem de ter um usuário em cada sistema.

Quanto mais fácil o acesso aos sistemas usados para apoiar o aprendizado online, melhor será a experiência dos alunos e professores no uso e convivência com essas novas tecnologias.

Mais informações sobre a integração podem ser encontradas nesse artigo publicado no Inside Higher Education.

Interfaces educacionais: O desafio de ajustar a interface do Moodle

Se você é leitor aqui do Blog, deve saber que estou sempre defendendo o Moodle como o sistema LMS indicado para a maioria das instituições de ensino, pelas suas incríveis ferramentas pedagógicas e possibilidades educacionais abertas a professores. Com o uso de um sistema como esses, os professores podem realmente aproveitar a internet como meio educacional. Mas, assim como tudo na vida o Moodle não é perfeito, ele tem os seus defeitos, sendo que um dos mais criticados é a sua interface. Hoje estamos acostumados com interfaces na internet, com vários atrativos visuais e estrutura organizada de maneira a expor os mais modernos conceitos de arquitetura de informação.

Mas, parece que o Moodle está demorando muito para evoluir mesmo nessa área. Uma das soluções para melhorar a interface do Moodle é investir na personalização dos temas usados no sistema, que tem como objetivo alterar a visual de todo o site. Mesmo nesse ponto o Moodle apresenta algumas sérias limitações e trava o trabalho dos designers de interface. Veja esse artigo sobre o desenvolvimento de temas para o Moodle, que acaba sendo uma ótima análise sobre a estrutura do sistema em si. O artigo foi escrito por Patrick Malley, que é um dos responsáveis pelo Newschool Learning.

FotoliaComp_1552206_2LE2YLeo68naFXLeI6GZ02gydIkPCV.jpg

Caso você não conheça, recomendo fazer uma visita ao Newschool Learning, pois eles têm os melhores temas para o Moodle. Posso dizer, pois uso os temas deles em todos os meus projetos com o Moodle, e o curso x benefício dos temas é incrivelmente alto.

No artigo, o Patrick Malley comenta sobre as dificuldades em flexibilizar a interface do Moodle, com temas mais condizentes com padrões de design para interfaces usadas hoje. No artigo, o próprio designer aponta algumas soluções para a interface, mas tudo do ponto de vista visual e cosmético. Ele mesmo admite que não exista embasamento pedagógico para as mudanças. Mesmo assim são considerações importantes, permitir que as instituições de ensino possam personalizar a interface do Moodle seria um passo importante para angariar ainda mais usuários.

Esse é um problema do Moodle? Na verdade, a maioria dos sistemas LMS sofre do mesmo problema. Se o Moodle permitisse mais flexibilidade, seria um dos primeiros a fazê-lo.