Como planejar disciplinas de interpretação como o empreendedorismo?

Um dos grandes desafios do design instrucional é planejar disciplinas que não tem aplicação prática direta, como a matemática. A analogia com a matemática não é ao acaso, pois em termos de disciplina a organização dos conteúdos da matemática é simples, pois para a maioria das perguntas a resposta é única e não há margem de dúvida. Mas, algumas disciplinas que envolvem muita interpretação e desenvolvimento de conceitos pelos alunos são mais difíceis de avaliar e assimilar. Entre essas disciplinas está o ensino do empreendedorismo, que estou acompanhando de perto por participar da revisão dos conteúdos.

Depois de analisar o conteúdo da disciplina fica fácil de perceber que o processo de avaliação e mensuração do aprendizado é bem complicado, pois envolve a capacidade de interpretar e executar diversos conselhos e mudanças de comportamento do aluno. Como o professor não pode acompanhar os alunos para comprovar se ele conseguiu assimilar os conceitos no seu cotidiano, o processo de avaliação fica muito mais complicado.

working from home

A maneira mais eficiente de resolver esse tipo de problema é direcionar o ensino da disciplina para a técnica chamada de aprendizagem baseada na resolução de problemas. A idéia é fazer com que os alunos se transformem em consultores, resolvendo problemas e aplicando os conhecimentos adquiridos em situações vivenciadas por outras pessoas.

O processo resumido de planejamento da disciplina é o seguinte:

  1. Apresente os conceitos e conhecimentos necessários para que o aluno tenha ciência do assunto;
  2. Mostre os caminhos para que o aluno aplique os conhecimentos no seu cotidiano;
  3. Faça perguntas e testes sobre os conceitos;
  4. Apresente situações e problemas sofridos por personagens fictícios que possam ser resolvidos usando os conceitos apresentados.

No caso do empreendedorismo a resolução de problemas é perfeita para algumas situações, como o desenvolvimento de novos projetos. Um exercício muito interessante é a identificação das características de um empreendedor, ou a definição do que é um intra-empreendedor. Para os alunos essa técnica é um pouco trabalhosa, pois envolve muita interpretação de texto e leitura, os professores também devem ter um pouco de trabalho extra para corrigir esse tipo de material. Mas, é uma das melhores maneiras de avaliar e garantir o aprendizado do conteúdo pelos alunos.

Conversor gratuito de arquivos PDF em DOC

Com o advento do uso continuio e corriqueiro de computadores para manipular documentos dos mais diversos, é praticamente inevitável se deparar em situações em que você precisa editar arquivos que estão salvos no formato PDF. Esse formato foi criado pela Adobe, para facilitar a exibição de documentos compostos por texto e imagem, hoje em dia ele suporta até mesmo vídeos e opções para inserir modelos 3d. Para professores e tutores de cursos que usam a internet como meio de comunicação, esse tipo de arquivo é presença constante em documentos e relatórios enviados para e pelos alunos. Caso você use esse tipo de documento para enviar material para seus alunos, já deve ter se deparado com o seguinte problema, em que o arquivo fonte do documento foi perdido e o arquivo PDF precisa ser alterado.

Um colega professor já me solicitou ajuda para fazer alterações em um documento que era usado apenas no início de cada semestre, mas o mesmo estava sem o arquivo DOC que era usado para gerar o PDF. Nesse caso precisei usar um software para converter o arquivo de PDF para DOC, e assim realizar as modificações e gerar outro arquivo PDF.

Eu mesmo utilizo muitos arquivos PDF para enviar exercícios para meus alunos, pois com o arquivo PDF é possível bloquear a edição dos documentos. Já tinha usado arquivos DOC, mas um aluno mal intencionado descuidado acabou alterando o conteúdo do documento e passando para outros colegas. O resultado foi que muitos dos alunos não puderam realizar boa parte dos exercícios propostos.

Adobe PDF ya es un estándar internacional (ISO)

Bem, você já deve ter percebido que o uso de arquivos PDF é uma grande vantagem, mas requer cuidados com o arquivo fonte. Se você não quiser mais se preocupar tanto com os arquivos fonte dos PDF, descobri essa semana um sistema online que converte arquivos PDF para DOC de maneira totalmente gratuita. Os softwares que faziam esse tipo de conversão eram pagos e limitados, mas no final acabavam resolvendo os problemas com um pequeno custo. Agora um sistema chamado PDF to WORD.

Só existe um pequeno problema com o sistema, ele ainda está em fase de testes sendo restrito apenas para usuários convidados. Caso você queira conferir a utilização do mesmo necessário um código, para os interessados o blog de desenvolvimento da ferramenta divulgou um código chamado nitro, que dá acesso a inscrição no site que pode ser aprovada ou não. Eu já fiz a minha inscrição e estou aguardando a confirmação para fazer os testes.

Assim que tiver mais novidades sobre a ferramenta, publico aqui no blog, pois esse tipo de sistema é extremamente útil quando precisamos editar PDF`s!

Interfaces educacionais: O desafio de ajustar a interface do Moodle

Se você é leitor aqui do Blog, deve saber que estou sempre defendendo o Moodle como o sistema LMS indicado para a maioria das instituições de ensino, pelas suas incríveis ferramentas pedagógicas e possibilidades educacionais abertas a professores. Com o uso de um sistema como esses, os professores podem realmente aproveitar a internet como meio educacional. Mas, assim como tudo na vida o Moodle não é perfeito, ele tem os seus defeitos, sendo que um dos mais criticados é a sua interface. Hoje estamos acostumados com interfaces na internet, com vários atrativos visuais e estrutura organizada de maneira a expor os mais modernos conceitos de arquitetura de informação.

Mas, parece que o Moodle está demorando muito para evoluir mesmo nessa área. Uma das soluções para melhorar a interface do Moodle é investir na personalização dos temas usados no sistema, que tem como objetivo alterar a visual de todo o site. Mesmo nesse ponto o Moodle apresenta algumas sérias limitações e trava o trabalho dos designers de interface. Veja esse artigo sobre o desenvolvimento de temas para o Moodle, que acaba sendo uma ótima análise sobre a estrutura do sistema em si. O artigo foi escrito por Patrick Malley, que é um dos responsáveis pelo Newschool Learning.

FotoliaComp_1552206_2LE2YLeo68naFXLeI6GZ02gydIkPCV.jpg

Caso você não conheça, recomendo fazer uma visita ao Newschool Learning, pois eles têm os melhores temas para o Moodle. Posso dizer, pois uso os temas deles em todos os meus projetos com o Moodle, e o curso x benefício dos temas é incrivelmente alto.

No artigo, o Patrick Malley comenta sobre as dificuldades em flexibilizar a interface do Moodle, com temas mais condizentes com padrões de design para interfaces usadas hoje. No artigo, o próprio designer aponta algumas soluções para a interface, mas tudo do ponto de vista visual e cosmético. Ele mesmo admite que não exista embasamento pedagógico para as mudanças. Mesmo assim são considerações importantes, permitir que as instituições de ensino possam personalizar a interface do Moodle seria um passo importante para angariar ainda mais usuários.

Esse é um problema do Moodle? Na verdade, a maioria dos sistemas LMS sofre do mesmo problema. Se o Moodle permitisse mais flexibilidade, seria um dos primeiros a fazê-lo.

Dicas PowerPoint: Usando o design instrucional e multimídia

Sempre que tenho a oportunidade de encontrar um texto ou material fazendo referência a importância do design de slides e apresentações, acabo me surpreendendo e percebendo que os assuntos abordados aqui no blog e a prática do cotidiano estão direcionadas no caminho certo. No blog do slideshare.net foi publicado um artigo muito interessante que aborda o uso dos quatro princípios da multimídia no design e preparação de apresentações em slides, que são a base para um bom aprendizado presencial. Uma boa apresentação pode complementar de maneira visual a aula de um bom professor. Os slides sozinhos não substituem a presença do professor, mas podem fazer com que a sua aula pareça mais ou menos interessante.

No texto que tem como autora Olivia Mitchell, ela elenca as competências necessárias para uma boa elaboração de slides no PowerPoint, e dentre as duas citadas estão à importância na separação do design instrucional do design gráfico, e também da correta aplicação do design instrucional na criação de e design de slides. Esse é um conceito ainda confuso no Brasil, em que o trabalho de design instrucional é muitas vezes confundido com um designer gráfico voltado para elaboração de material didático.

Design for Social Change: Leeds

Essa afirmação está completamente errada, e limita o campo de atuação desse tipo de designer que deveria trabalhar em conjunto com profissionais de pedagogia para elaborar melhores programas educacionais.

O uso correto de alguns princípios do design instrucional que são também conhecidos como princípios do aprendizado multimídia podem ser encontrado no artigo original, assim como um comentário sobre sua utilização para o design de slides:

  1. Use palavras e imagens: Essa é a regra de ouro do design instrucional que lida com apresentações e material multimídia. Não há justificativa para usar apenas texto em apresentações, praticamente qualquer assunto pode receber imagens para ajudar no aprendizado.
  2. Não use imagens que não estejam inseridas no contexto: Com a decisão de usar imagens para ilustrar os slides, a escolha dessas imagens é tão importante quanto à decisão de usá-las. As imagens devem ser escolhidas e selecionadas de acordo com um contexto único.
  3. Use narração ao invés de textos na tela para explicações: Sempre que for possível, remova textos dos slides para usar narração.
  4. Use um apoio virtual: Caso seja possível, use um assistente virtual para interagir durante a apresentação. Esse é um conceito novo, mas pode ser direcionado para um objeto ou símbolo relacionado ao tema abordado. Esse apoio é interessante para tirar o foco da atenção direcionada ao apresentador, e também distrair a audiência.

Os princípios são básicos, mas se aplicam em praticamente todas as situações. Caso você ainda não tenha pensado em como é possível melhorar as suas apresentações e palestras, quem sabe essas dicas não o animam a começar?

Empreendedorismo: Como organizar uma disciplina?

O processo de organização de uma disciplina é um grande desafio de design instrucional, principalmente se o assunto abordado não é a especialidade do designer em questão. Mesmo para especializadas, existem disciplinas e assuntos que são extremamente complicadas de transpor para conteúdos escritos. Um desses exemplos é a disciplina de empreendedorismo, que aborda vários aspectos do desenvolvimento pessoal de uma pessoa, seja para o lado da criação mesmo de um empreendimento ou para a organização de um plano de negócios. Caso você seja designer instrucional ou gostaria de trabalhar nessa área, recomendo pesquisar sobre o assunto para conhecer um pouco mais sobre a organização dessas disciplinas.

O problema com o Empreendedorismo, quando abordamos assuntos que não estão diretamente relacionados com a criação do plano de negócios, mas o chamado empreendedorismo comportamental, é que não existe certo ou errado. Mas, alguns pontos de vista e opiniões que podem ou não ser analisados em algumas situações chave.

business team work - girl leading

Por exemplo, a identificação de oportunidades é ponto fundamental para qualquer empreendedor. Como é possível ensinar alguém a identificar essas oportunidades e se tornar um empreendedor? Depois de muita leitura e consulta a livros e alguns professores de empreendedorismo, percebi que a fórmula para mostrar esse tipo de conteúdo é semelhante em todos os casos.

A fórmula se baseia no estudo de caso de algum empreendedor de sucesso, em que o professor explica o processo que resultou no sucesso dessa pessoa como empreendedor. Isso passa pela identificação da oportunidade que fez o empreendedor se lançar no projeto. Toda a história é comentada pelo professor, para que os alunos possam em algum momento fazer analogias com a sua realidade e quem sabe vislumbrar alguma oportunidade.

Mesmo não sendo comprovado que todos os alunos desse curso em particular, devam aproveitar a história para identificar possíveis oportunidades, o método tem se mostrado eficaz na descoberta de alguns poucos empreendedores. O tema é ao mesmo tempo interessante e pode despertar algumas idéias sobre a identificação de oportunidades, que nem sempre resultam no lançamento de algum negócio próprio. Mas, na realização de um curso em uma área que você identifica ser valorizada no futuro. Isso é estudado pelo empreendedorismo também.

O ensino do empreendedorismo a distância é um ótimo tema de estudo para qualquer designer instrucional. Nessa área, uma boa margem de comparação pode ser feita com o SEBRAE, que disponibiliza muitos cursos pela internet. Ainda não tive oportunidade de participar de nenhum deles, mas os colega professores que já participaram ficaram muito satisfeitos.