Material impresso ou eletrônico para cursos pela internet (EAD)?

Sempre quem for necessário criar uma nova iniciativa em cursos a distância, seja um curso completo ou os que são chamados de semi-presenciais, os gestores do curso precisam decidir a porcentagem de material impresso, que é entregue aos alunos. Essa é ao mesmo tempo uma ação que contradiz os avanços em termos de aprendizado pela internet, mas que ao mesmo tempo reflete a realidade socioeconômica do nosso país. Sim, os gestores de curso ainda precisam investir pesado em material impresso como apoio as iniciativas de cursos pela internet, sejam em faculdades ou qualquer outro nível educacional.

Apoio Livros

Quando esse tipo de material não é disponibilizado pela gestão do curso, os alunos acabam imprimindo todo o material da internet, para estudar nos mais variados lugares. Isso tem impacto direto na realização das atividades e exercícios na internet. Por exemplo, ao preparar um questionário na internet o designer instrucional precisa prever o primeiro acesso dos alunos, para que o texto das perguntas seja impresso e estudado. Para depois que tudo estiver previamente respondido, apenas no segundo acesso ao sistema os alunos respondem aos questionários. Essa é a realidade dos alunos.

Então, se essa é a grande realidade, não há razão para que uma versão própria para impressão das perguntas, mesmo que não existem as alternativas dos questionários, esteja disponível de maneira a permitir que os alunos possam imprimir mnaterial próprio para seu estudo longe do computador.

Por isso é que a presença de uma pessoa com experiência em design para impressão é importante na equipe de design instrucional, mesmo nos cursos baseados apenas em internet, que usam sistemas como o Moodle para prover o aprendizado.

Mas e o material multimídia? Nesse caso, o mais interessante é fazer um pequeno texto descrevendo os assuntos abordados no vídeo ou mesmo possibilitar o download dos materiais, para que o conteúdo possa ser consultado em celulares ou players de vídeo.

Esse é outro aspecto interessante dos alunos, vários deles ainda não têm computador e acesso a internet rápida, mas tem celulares com capacidades avançadas na reprodução de conteúdos multimídia.

Curso de pesquisa avançada na internet para cursos EAD

Qualquer pessoa que pretenda fazer um curso pela internet deveria ao menos ter conhecimentos medianos em busca avançada em mecanismos de busca, como o Google. Na maioria dos cursos a distância, que usa a internet como apoio, existe um módulo introdutório que ensina a usar apenas o ambiente virtual, mas muito pouco ou nada é apresentado sobre busca avançada na internet. Como seria o impacto de um pequeno módulo como esse em cursos que usam internet como apoio? Será que isso poderia evitar um problema recorrente; as pesquisas de conteúdo em meios eletrônicos? Que é a repetição dos resultados de pesquisa.

Por exemplo, sempre que um professor ou tutor a distância solicita uma busca por um determinado conteúdo, para que os alunos façam um relatório ou uma pequena redação sobre o tema, os resultados sempre são baseados nos mesmos web sites.

RSS Diagram

O Google oferece os chamados operadores de pesquisa avançada, que permitem buscas com filtros bem específicos, fazendo com que uma mesma busca possa apresentar resultados bem distintos.

Outra opção fantástica de busca para os alunos são as chamadas redes sociais. Sempre que mostro o Del.icio.us os alunos fica impressionados com os recursos classificados e organizados por outras pessoas. A mesma coisa se aplica as fotografias disponíveis no Flickr e em várias outras redes sociais.

Fica ainda mais evidente um curso desse tipo, quando os alunos precisam estudar e usar a internet para aprender e acompanhar as atualizações nos sistemas de ensino. Quer ver outro recurso fantástico, que muitas vezes é ignorado pelos cursos introdutórios dos cursos a distância? O RSS, que é ferramenta fundamental para acompanhar as atualizações de conteúdos nos vários sistemas dos cursos.

Como você pode perceber, esse tipo de conteúdo é muito importante para alunos que precisam aprender pela internet.

Se eu fosse começar um projeto de curso, usando esses conteúdos, colocaria os seguintes temas para começar:

  • Mecanismos de busca
  • Operadores de pesquisa
  • Redes sociais
  • Atualizações com RSS

Caso você seja aluno de um desses cursos, ou o designer instrucional responsável pelos projetos dos cursos, fica a dica para enriquecer ainda mais a experiência dos seus alunos na internet.

Por que instituições de ensino americanas estão migrando para Moodle?

Um dos fenômenos mais interessantes do mercado de tecnologia educacional, nas universidades americanas e é o número crescente de instituições que abandonam sistemas pagos, como o famoso Blackboard e começam a usar o Moodle ou Sakai, como suas plataformas de educação a distância, ou apoio educacional. Claro que um dos motivos que me faz ficar curioso sobre esse tipo de migração, é o fato de ser usuário e defensor do Moodle como ferramenta LMS, para instituições de qualquer tamanho.

Essa semana, um artigo aqui no Blog falou sobre as diferenças de requisito para diferentes instituições de ensino, e como fazer para escolher o LMS apropriado para cada uma dessas instituições, com base em diversos fatores. O mercado Brasileiro ainda está se desenvolvendo e com o crescimento do acesso a internet, os próprios alunos estão começando a usar mais a internet. Isso faz com que as instituições de ensino invistam cada vez mais, em apoio educacional usando a internet.

Tanto as grandes como as pequenas instituições estão investindo pesado nessa área, quem entra agora nesse mercado educacional segue o famoso “efeito manada”.

leaving on a jet plane

Para reforçar o assunto abordado no artigo aqui do Blog, recomendo a leitura desse texto, publicado essa semana também no Chrolicle of High Education, em que é reportada a tendência dos clientes que usam o Blackboard nos EUA em migrar para alternativas de código aberto.

Só para resumir o assunto do artigo, o texto fala da tendência das instituições de ensino em querer cada vez mais ferramentas e opções para adaptar, os sistemas LMS para as suas necessidades. Como esse tipo de pedido é geralmente cobrado, ou seja, as instituições precisam pagar para melhorar um software educacional que já é pago, apenas pelo seu uso. Os gestores de tecnologia educacional estão fazendo as contas e descobrindo que é mais barato, personalizar um sistema que já é aberto.

Veja como é fácil a conta:

  • A empresa comercializa um sistema LMS
  • A instituição de ensino solicita melhorias e correções na metodologia
  • A empresa cobra honorários extras para a personalização
  • A instituição paga e mesmo com certa demora, recebe as melhorias
  • A empresa comercializa o seu sistema, com as melhorias desenvolvidas

Percebeu? A instituição de ensino presta uma consultoria gratuita em metodologia de ensino, para que o sistema seja comercializado depois, com as mesmas ferramentas.

Talvez esteja exagerando um pouco na abordagem, mas é algo a se pensar nessas empresas, será que esse modelo de negócios deve perdurar?

Se você trabalha com EAD ou tecnologia educacional, recomendo a leitura completa do artigo.

Como migrar conteúdo educacional em sistemas EAD?

O que fazer quando é necessário migrar o conteúdo de um curso a distância, para outro sistema LMS? Isso se caracteriza como uma das maiores aflições de muitos designers instrucionais e gestores EAD. Uma coisa que aprendi com a experiência, ao longo dos últimos anos, envolvido com sistemas de apoio ao aprendizado a distância, é que não há migração sem perda de dados. Mesmo com ferramentas modernas e robustas como o Moodle, com opções próprias para fazer backup dos cursos e material de apoio, sempre se perde algo na migração.

Essa migração pode ser de versão, que é menos traumática ou de sistema LMS que é o pior tipo de transição que um conteúdo pode sofrer, sendo necessário às vezes adaptar o material para um ambiente totalmente novo.

lost files

Se você está para passar por esse tipo de situação, montei uma pequena lista de coisas que você ou sua equipe podem fazer, para evitar transtornos na migração de conteúdos. A lista pode conter alguns itens óbvios, mas acredite em mim quando digo que mesmo o óbvio faz falta, quando ao restaurar algum tipo de conteúdo, você percebe que perdeu alguma coisa e não sabe como era o material.

Então, vamos à lista de recomendações:

  • Tenha o conteúdo sempre em dois formatos: A maioria dos sistemas LMS, permite que o conteúdo fique armazenado no formato HTML, para consulta dos alunos. Nesse caso, sempre mantenha uma cópia segura desse material, seja ele texto ou imagens em seu servidor ou computador. Assim, caso aconteça algum tipo de problema, será possível copiar e colar o texto de maneira rápida. Para arquivos PDF, DOC ou PPT uma cópia simples do conteúdo já basta.
  • Faça backups do seu LMS com dia e hora marcada: Quanto mais automatizado for o processo, menor é o risco de depender de uma pessoa que esqueça o backup.
  • Use uma ferramenta de captura, para gravar a interface do curso: Essa é uma dica valiosa, geralmente uso uma ferramenta como SnagIt da Techsmith para capturar a interface completa do curso ou disciplina. Assim posso consultar uma imagem da interface, com toda a organização e seqüência dos conteúdos, mesmo sem o sistema online. Esse tipo de prevenção já me salvou inúmeras vezes!
  • Faça uma restauração de teste no seu LMS, para verificar possíveis partes do curso que se perdem no backup: Será que isso é possível? Alguma parte do curso pode ficar de fora? Sim, algumas vezes pequenas partes e conteúdos de texto, como sumários de tópicos podem ficar de fora do backup. Por isso, a imagem com a interface do curso ou disciplina é importante, para restaurar esse tipo de conteúdo.

Parece óbvio, não é?

Com essa pequena lista de tarefas, acredito que será mais difícil perder conteúdo em sistemas LMS, qualquer que seja o ambiente adotado pela sua instituição de ensino. Minha experiência é maior com o Moodle, mas como já conversei com outros designers instrucionais sobre o assunto, os mesmos já passaram por apuros no Blackboard e em outros sistemas também.

O que você está esperando? O quanto antes começar a se preparar melhor!

Como o projeto de um curso a distância pode influenciar seu desempenho?

Todos que trabalham com educação estão cientes que a atividade de tutoria a distância não é fácil, por vários motivos. Dentre eles o próprio projeto do curso em que o tutor atua, pode ser um complicador para a sua experiência. Depois de alguns semestres trabalhando junto de tutores e fazendo projetos de cursos, percebi que a experiência do tutor no curso tem influencia direta sobre o uso do material do curso e dos objetivos claros de cada módulo, que devem estar presentes no projeto do curso também.

Como fazer um curso que potencialize o trabalho do tutor? É só seguir algumas regras de simples de design instrucional, que a interação fica mais clara.

Ruth online

Muita gente ainda baseia o treinamento do tutor, no uso eficiente das ferramentas de comunicação da internet, como fóruns e e-mail. Isso é importante sim, mas eles são apenas o instrumento de comunicação que será usado para atingir um objetivo claro.

Esse objetivo que mencionei é um dos pontos chaves da experiência! A definição de objetivos claros para o aluno é uma premissa fundamental no design de qualquer ambiente de educação a distância, seja com qualquer sistema ou nível. O aluno deve ter muito claro na sua mente; o que eu vou aprender?

Se isso não estiver claro para o tutor, então temos distorções terríveis no processo de aprendizado. Também sei que muita gente gosta de colocar objetivos com o famigerado verbo “conhecer”. Sempre que preciso escrever um projeto, evito usar esse verbo, pelo simples fato dele abrir possibilidade para interpretações subjetivas, que geralmente resultam em aprendizagem superficial dos assuntos abordados.

Como fazer? Escreva os objetivos começando com esses verbos:

  • Dominar…
  • Ser capaz de…
  • Utilizar…
  • Aplicar…

Todos esses verbos denotam aplicações práticas do conhecimento e geralmente deixam pouca margem para interpretações subjetivas.

Com os objetivos bem definidos, você deve colocar esse texto em todos os lugares possíveis do seu LMS! Sim, os alunos devem saber isso de cabeça, assim como os tutores! Até para fins de avaliação do seu desempenho no curso, se o aluno perceber que não conseguiu o objetivo, ele pode concluir que o curso não foi bom.

Outro ponto importante, a qualidade do material do curso deve ser suficientemente boa apara auxiliar o trabalho do tutor. Sem material de qualidade para apoio ao aprendizado, não há tutor que consiga fazer milagre com os alunos.

Se os objetivos do curso estiverem bem definidos, você pode até mesmo pedir ao tutor para indicar textos complementares, para auxiliar no aprendizado dos alunos.

Com esses dois pontos bem definidos, e um planejamento prévio de prazos e ações de interação, o trabalho de qualquer tutor fica muito mais fácil!