Dicas PowerPoint: Usando o design instrucional e multimídia

Sempre que tenho a oportunidade de encontrar um texto ou material fazendo referência a importância do design de slides e apresentações, acabo me surpreendendo e percebendo que os assuntos abordados aqui no blog e a prática do cotidiano estão direcionadas no caminho certo. No blog do slideshare.net foi publicado um artigo muito interessante que aborda o uso dos quatro princípios da multimídia no design e preparação de apresentações em slides, que são a base para um bom aprendizado presencial. Uma boa apresentação pode complementar de maneira visual a aula de um bom professor. Os slides sozinhos não substituem a presença do professor, mas podem fazer com que a sua aula pareça mais ou menos interessante.

No texto que tem como autora Olivia Mitchell, ela elenca as competências necessárias para uma boa elaboração de slides no PowerPoint, e dentre as duas citadas estão à importância na separação do design instrucional do design gráfico, e também da correta aplicação do design instrucional na criação de e design de slides. Esse é um conceito ainda confuso no Brasil, em que o trabalho de design instrucional é muitas vezes confundido com um designer gráfico voltado para elaboração de material didático.

Design for Social Change: Leeds

Essa afirmação está completamente errada, e limita o campo de atuação desse tipo de designer que deveria trabalhar em conjunto com profissionais de pedagogia para elaborar melhores programas educacionais.

O uso correto de alguns princípios do design instrucional que são também conhecidos como princípios do aprendizado multimídia podem ser encontrado no artigo original, assim como um comentário sobre sua utilização para o design de slides:

  1. Use palavras e imagens: Essa é a regra de ouro do design instrucional que lida com apresentações e material multimídia. Não há justificativa para usar apenas texto em apresentações, praticamente qualquer assunto pode receber imagens para ajudar no aprendizado.
  2. Não use imagens que não estejam inseridas no contexto: Com a decisão de usar imagens para ilustrar os slides, a escolha dessas imagens é tão importante quanto à decisão de usá-las. As imagens devem ser escolhidas e selecionadas de acordo com um contexto único.
  3. Use narração ao invés de textos na tela para explicações: Sempre que for possível, remova textos dos slides para usar narração.
  4. Use um apoio virtual: Caso seja possível, use um assistente virtual para interagir durante a apresentação. Esse é um conceito novo, mas pode ser direcionado para um objeto ou símbolo relacionado ao tema abordado. Esse apoio é interessante para tirar o foco da atenção direcionada ao apresentador, e também distrair a audiência.

Os princípios são básicos, mas se aplicam em praticamente todas as situações. Caso você ainda não tenha pensado em como é possível melhorar as suas apresentações e palestras, quem sabe essas dicas não o animam a começar?

Quando o uso de PowerPoint atrapalha as aulas?

Na grande maioria das instituições de ensino as aulas estão começando a ser preparadas quase que exclusivamente com o uso do PowerPoint. Todos os professores têm seu conteúdo organizado e distribuído entre os alunos no formato de slides, isso inclusive é uma forma de marketing educacional para muitas faculdades que anunciam “todas as salas com datashow”. Até que ponto isso pode ser uma vantagem, ou até mesmo atrapalhar o desempenho dos alunos? Depois de passar um bom tempo observando o comportamento dos alunos, quando as aulas são ministradas totalmente com o apoio dos slides e quando a mesma é feita apenas no quadro, cheguei a seguinte conclusão; não coloque tudo nos slides.

O conteúdo de uma aula completa nos slides acaba sendo uma vantagem para os alunos e para o professor no momento em que o tempo gasto, com a organização do quadro é economizada. Mas, os alunos acabam tendo a tendência natural de não prestar mais tanta atenção que está sendo apresentado, pois depois os mesmos devem ter acesso aos arquivos do professor, com o conteúdo todo pronto no formato PPT. Cheguei a perceber que alunos assistindo aulas apoiadas por slides, acabam perdendo a atenção e se prejudicando depois. Uma coisa que deveria ajudar, acaba atrapalhando.

Por isso, acabei criando uma pequena regra para manter a atenção dos alunos enquanto uma aula ministrada com o apoio de PowerPoint é realizada. A regra é simples; não coloque tudo no PowerPoint.

GSU-library-classroom

A estratégia é simples mas já consegui comprovar nas aulas que é muito eficaz, consiste em trabalhar com conteúdos sem muitos detalhes nos slides, para que seja necessário usar o quadro como apoio eventual durante as aulas. Com isso, quando um assunto que requer explicações extras do professor ganha algumas palavras e comentários no quadro. Assim, os alunos precisam prestar mais atenção ainda para eventualmente copiar ou simplesmente acompanhar as explicações com o material exposto no quadro.

Pode parecer um contraponto, usar o quadro quando temos o PowerPoint disponível para ministrar aulas. Mas, para manter a atenção e interesse de uma turma de alunos, qualquer tipo de artifício é válido. Caso você queira fazer um teste nas suas aulas, recomendo escolher um slide cheio de informação e fazer um “enxugamento” do mesmo. Quando ele for o tópico central da explicação, coloque o material no quadro! Você vai perceber como a atenção dos alunos será redobrada ao longo de toda a aula.

Dicas PowerPoint: Como reformular slides para melhorar apresentações?

Hoje a maioria das instituições de ensino retorna às suas atividades acadêmicas, e os professores têm a missão de voltar para as salas de aula e iniciar mais um semestre. Mesmo sendo um pouco tarde, ainda é tempo de promover uma reformulação nas suas apresentações em PowerPoint, minimizando os problemas de design que tanto atrapalham as apresentações. A maioria de nós usa o PowerPoint como apoio para expor idéias e conteúdos, mas acaba pecando um pouco na organização visual desse material. Um desses problemas visuais é o excesso de informações, com vários tópicos sendo exibidos no mesmo slide, sem nenhum tipo de imagem para ilustrar as idéias expostas na apresentação.

Como fazer para melhorar o visual desse tipo de slide, em que as apresentações já estão prontas?

Caso você queira melhorar suas apresentações já elaboradas, o vídeo abaixo mostra o procedimento necessário para transformar slides totalmente baseados em texto, e transformar o material em slides mais leves e com apoio de imagens para ilustrar as idéias apresentadas.

Antes de começar a alterar os slides, selecione as imagens apropriadas a cada idéia dos tópicos.

O processo de edição é relativamente simples, mas no final vai acabar resultando em grande quantidade de slides, pois o material será dividido em várias partes menores. Faça os ajustes na fonte do texto, para deixar as linhas do título mais visível, como mostra o vídeo, depois faça várias cópias do conteúdo e espalhe por vários slides.

O segredo é ir excluindo os tópicos extras de cada slide, para concentrar idéias relacionadas entre si no mesmo slide. A segmentação de idéias nunca é uma boa estratégia, pois faz a audiência perder o foco no assunto abordado. Com o texto bem posicionado, o próximo passo é organizar as figuras nos slides. Uma boa técnica para posicionar as imagens nos slides é alterar a sua escala, para que a imagem fique ocupando o espaço total disponível.

Assim o apresentador pode associar de maneira clara o conteúdo do texto, com as imagens e fotografias relacionadas ao conteúdo.

No final do exercício, podemos perceber como uma simples mudança como essa, de organizar os textos condensados em vários tópicos em apenas um slide, em vários slides com tópicos únicos e bem ilustrados, pode fazer a diferença e produzir uma melhor interface entre o palestrante e a exposição das suas idéias.

Caso você não tenha tido tempo de reorganizar as suas apresentações para esse novo semestre, tente realizar ao menos essas pequenas mudanças! Posso garantir que o resultado será positivo, para a exposição das suas idéias e consequentemente no total entendimento e motivação da sua audiência. Para quem já tem apresentações prontas, as dicas do vídeo são valiosas! E os que ainda estão preparando material, podem se basear nessas dicas de design, para criar slides que já usem essa organização.

Análise de palestra feita com o Apple Keynote 2009

Ontem tive a oportunidade de ministrar a primeira palestra usando a nova ferramenta da Apple para apresentações, o Keynote `09. Já tinha usado as versões anteriores para ministrar palestras e estou avaliando as novas ferramentas e opções do software, para literalmente substituir o PowerPoint ou o Impress do Open Office, como minhas ferramentas para palestras e aulas. Sempre que tenho a oportunidade de apresentar alguma coisa ou assunto, reparo que o impacto do Keynote sobre a platéia é muito positivo, principalmente pela qualidade dos gráficos animações, que deixam o visual mais interessante.

Sou adepto das apresentações mais limpas, voltadas para slides com conteúdo baseado em fotografias e com poucas animações, mas devo confessar que dessa vez acabei adicionando um pouco mais de movimento nos slides. Os efeitos de transição e animação são muito bonitos, como é característica como sempre.

Mas, não é na parte visual que o Keynote se destaca! A ferramenta apresenta algumas opções fantásticas para palestrantes e professores, no controle total da sua apresentação, principalmente no que se refere ao tempo decorrido da palestra. Assim que começamos a apresentação, as telas ficam divididas da seguinte forma, para a platéia ficam visíveis os slides e para o palestrante essa tela:

apple-keynote

Como você pode perceber, podemos visualizar a hora, tempo decorrido, slide exibido e próximo slide. Esse tipo de interface, visível apenas para o palestrante é fantástica! A visualização do tempo total da palestra é um excelente controle para o apresentador, que sabe os pontos em que é possível desenvolver mais o assunto ou acelerar o conteúdo.

Mesmo para os mais experientes palestrantes, a possibilidade de visualizar o próximo slide de uma palestra é muito interessante, pois dá uma noção do que está sendo comentado no momento e os próximos tópicos. Com isso, podemos discursar sobre um determinado assunto e preparar a platéia para o próximo slide.

Isso evita a famosa “cola” impressa que os palestrantes e professores levavam para suas apresentações e aula, com a seqüência de slides impressa. Essa consulta servia para que o palestrante tivesse uma idéia da ordem em que os slides são apresentados.

Com o tempo, pretendo falar um pouco mais sobre o Keynote e minhas experiências com ele, pois essa pode ser uma ótima oportunidade para as pessoas interessadas em melhorar o visual e fugir do senso comum, gerado por apresentações no PowerPoint. O Keynote pode ser copiado nesse endereço, junto com a suite iWork 09 da Apple como uma versão de testes por 30 dias.

Caso você queira saber, o tema da minha apresentação foi “Metodologias para produção de conteúdos em cursos online”.

Como lidar com interrupções em apresentações e palestras?

Uma coisa que sempre deixa muita gente nervosa em apresentações, tirando a parte do falar em público são as interrupções que eventualmente podem acontecer nas palestras. Essas interrupções são comuns e podem quebrar o ritmo de uma boa palestra. O medo dos palestrantes é de aparecer alguma interrupção com a qual ele não possa lidar, como uma pergunta que foge do escopo da apresentação e passar a idéia de que não conhece o assunto. Já vi muitas pessoas, que demonstravam confiança em relação ao assunto da palestra que estavam ministrando, mostrar habilidade em dizer que desconhece o assunto, e outros que se complicavam em tentar explicar algo que não dominam.

Como lidar com isso?

Se você quiser um material mais extenso, recomendo a leitura desse artigo sobre o assunto em língua inglesa.

Orange Question Mark Button

Agora, na prática existem algumas coisas que são de conhecimento da maioria dos professores, com um pouco de experiência na sala de aula. No meu caso, eu geralmente faço o seguinte quando sou interrompido em aula, ou durante uma palestra:

  1. Deixo que a pessoa faça a pergunta ou questionamento até o final
  2. Caso a pergunta seja respondida na mesma aula ou palestra, informo apenas que ela deve aguardar um pouco para que a pergunta seja respondida
  3. Se o assunto for completamente diferente da aula ou palestra, eu me comprometo a falar com a pessoa quando a apresentação terminar, para passar a indicação de livros ou web sites sobre o assunto
  4. O mais importante é que você consiga responder prontamente, mesmo que seja com um sincero “desconheço esse assunto, mas posso indicar fontes de pesquisa”
  5. Depois de esclarecidos os pontos, retorne para a sua apresentação e termine a linha de raciocínio

Como você pode perceber, os procedimentos são simples e evitam a maior parte dos problemas e da maior causa de descontentamento em apresentações, que é a sensação de pânico ou desconforto do palestrante. O mais importante é manter a calma e se preparar para qualquer eventualidade.

Para professores mais experientes, isso é fácil, pois com o tempo é possível reunir uma boa gama de perguntas freqüentes, feitas durante as apresentações e até usar isso, como fonte de informação para um slide no final da apresentação, ou até mesmo pontos que devem ser comentados mesmo no final.