Ferramentas para produção rápida de cursos online

O planejamento de conteúdo para cursos oferecidos na modalidade à distância envolvem muitos passos e recursos que precisam ser bem planejados, para otimizar tanto os objetivos da aprendizagem como também o investimento para materializar a iniciativa. Quais as melhores opções para oferecer conteúdo em cursos EAD? As opções disponíveis em termos de softwares são as mais variadas possíveis, envolvendo o uso de slideshows e material interativo. Quer começar a planejar um curso? Você deve levar em consideração alguns fatores que determinam a plataforma e tecnologia a ser usada:

  • Qual a maneira com que os alunos desse curso devem consultar o material?
  • Qual a faixa etária dos alunos?
  • É necessário tornar o conteúdo amigável para dispositivos móveis?
  • Existem recursos audiovisuais disponíveis para o conteúdo apresentado?

Ao responder a essas perguntas você estará automaticamente preparando o terreno para conseguir montar o material do seu curso. O próximo passo seria elaborar o roteiro de aprendizagem com base nos requisitos levantados na pesquisa preliminar. Esse roteiro deve direcionar a produção do material do curso com a escolha de elementos textuais ou audiovisuais para formar o conteúdo do curso.

E quando chegar momento de realmente produzir o conteúdo do curso? Nessa hora você deve procurar por opções que ajudem na produção do material para EAD. Um dos tipos de softwares mais usados para construir esses cursos são os que se encaixam na categoria do Rapid eLearning. E entre as opções existentes no mercado podemos destacar duas:

As duas opções permitem a criação de cursos de maneira extremamente rápida de conteúdo para cursos EAD. A vantagem está exatamente na velocidade com que o material pode ser produzido, pois o processo se torna muito parecido com a apresentação de slides. As telas são adicionadas em seqüência e junto com elas podemos formatar conteúdo.

Se você procura velocidade na produção de cursos EAD online, recomendo conferir essas ferramentas e preparar pelo menos parte do seu orçamento para investir na licença desses softwares, pois nenhum deles é gratuito.

Mais um guia sobre as lições do Moodle

Sempre que posso estou comentando sobre as lições do Moodle, pelo seu alto grau de complexidade na parte de planejamento e também no retorno educacional. O uso de questionários com questões de múltipla escolha pode ser uma saída fácil e rápida para a maioria dos projetos de curso, mas em algumas ocasiões é necessário fazer os alunos pensarem. Nessa hora é que os questionários podem ser de grande ajuda. A estrutura de uma lição é muito semelhante a de um fluxograma, em que os alunos podem realizar a atividade de maneira totalmente não linear, e as suas respostas podem condicionar ou atrapalhar o seu desempenho geral.

Por exemplo, podemos configurar três questões dentro de uma lição e para que o aluno passe da segunda para a terceira questão, o mesmo deve responder uma pergunta. Se a resposta for errada, o aluno pode ser direcionado para uma página avisando sobre o erro, ou até mesmo voltar para a primeira questão e ter que fazer tudo novamente.

Como é possível configurar esse tipo de recurso? Se você for usuário do Moodle, ou simplesmente tiver curiosidade em saber como é que esse tipo de atividade é configurada, o vídeo abaixo mostra uma lição sendo configurada. Apesar de estar em inglês, a narração é de fácil entendimento, principalmente se você já usou o Moodle alguma vez.

O processo é bem simples e começa com a configuração geral da lição que é composta basicamente por um conjunto de páginas. Depois que a lição está configurada, podemos começa a adicionar páginas no conjunto. Cada uma das páginas pode apresentar os mesmos itens de uma página web, como material oriundo de sites sociais como o Flickr e Youtube, sem mencionar o uso de apresentações em slides para apresentar conteúdo condensado em slides.

Cada uma das páginas apresenta uma opção para adicionar perguntas ao conteúdo, com várias opções de resposta. Para cada alternativa que o aluno tem de responder, o professor ou tutor pode adicionar um feedback personalizado e também direcionar a navegação para outras páginas.

Depois disso é só disponibilizar o recurso para seus alunos, sem esquecer de oferecer algum tipo de orientação para os mesmos sobre o funcionamento desse tipo de atividade. Se os alunos estiverem acostumados apenas com o uso de questionários, a estrutura de uma lição pode ser um pouco confusa para usuários sem o conhecimento no recurso.

Quando o designer instrucional se torna aluno!

Um designer instrucional é geralmente responsável pelo design e criação de materiais para cursos e algumas vezes do próprio curso em si. Mas, quando é necessário retornar para a sala de aula, para fazer uma reciclagem ou participar de um outro curso de pós-graduação, nos encontramos na situação em que somos mais críticos! Como alunos, podemos literalmente perceber algumas coisas em relação ao que está sendo desenvolvido pelo professor, como a linha de raciocínio e o material de apoio que está sendo usado para a aula.

Sempre que assisto uma aula em que o professor aparece com um arquivo único contendo mais de 300 slides no powerpoint, apenas com textos e tópicos que provavelmente são lidos na frente do projeto, um desânimo sobre a aula é inevitável.

Entre os diversos assuntos que estudamos no design instrucional, aprendemos que existem deterimados tipos de assuntos que são melhor apresentados e explicados com certos tipos de gráficos. Essa pesquisa que associa o uso de imagens como forma de aprendizado pode ser encontrada em vários livros e artigos. Uma das classificações que mais gosto e uso nos meus projetos, seja para uma palestra ou composição de apresentações em slides, que foi publicada por Clark e Mayer. Apesar de estar citando os nomes dos autores da técnica, o objetivo aqui não é trabalhar com um artigo científico, apenas apresentar a técnica.

Teachmeat BETT 09

Vejamos então os tipos situação mais comuns de encontrar em aulas e palestras, que precisam ser necessariamente explicados para diversas pessoas:

  • Fatos: Esse tipo de situação pode ser melhor apresentada usando fotografias ou imagens que melhor representem um lugar ou momento.
  • Conceitos: Um conceito geralmente é abstrato, por isso é interessante partir para o uso de símbolos ou gráficos chamados de interpretativos. Por exemplo, ao explicar o conceito de organização das moléculas de água no gelo, podemos usar um gráfico que mostra um conceito abstrato para nós de maneira a interpretar a explicação.
  • Processos: Quando é necessário explicar o funcionamento de alguma coisa, a melhor maneira é com gráficos chamados de transformação. Esses gráficos nada mais são que animações ou infográficos animados. Os processos também podem ser representados com o uso de gráficos relacionais, que são os famosos fluxogramas de processo.
  • Procedimentos: Se o assunto for uma seqüência de passos necessários para que alguma tarefa seja realizada, podemos também recorrer as animações.
  • Princípios: Aqui temos o mesmo caso dos gráficos usados para representar os processos, mas precisamos atentar para os princípios. Qual a diferença entre princípio e conceito? O princípio é um fato isolado que resulta na conclusão de uma tarefa, com relação direta entre causa e efeito.

Por exemplo, podemos pegar os gráficos que representam processos, usados na grande maioria das empresas como forma de melhorar a eficiência das suas atividades. Ao explicar esse tipo de objeto em sala de aula, ou mesmo em reuniões, a pessoa poderia usar gráficos de transformação animados, que poderiam ilustrar de maneira clara e objetiva o funcionamento do processo. Quando usamos imagens estáticas ou fotos nesse tipo de situação, o observador precisará abstrair o conceito de processo para poder entender o todo.

Infelizmente, esse tipo de dica só aparece depois que o material do professor ou palestrante já está sendo utilizado. Mas, fica a dica para quem precisar elaborar uma apresentação usando imagens ao invés de palavras.

O modelo ADDIE começa a mostrar sinais de defasagem

O design instrucional é uma área do conhecimento relativamente nova com menos de 100 anos de existência, e desde que os recentes avanços nos meios de comunicação tomaram conta do cenário educacional e das nossas vidas, desde meados da década de noventa, muita coisa mudou. O design instrucional precisa se reciclar e mostrar um pouco de adaptação as novas metodologias e problemas do mundo contemporâneo. Um dos tópicos para o qual o design instrucional não se adaptou muito bem, foi para um novo paradigma em aprendizagem que é chamado de aprendizado informal. Esse tipo de aprendizado é muito embasado pelos ambientes pessoais de aprendizado, conhecidos pela sigla PLE em inglês.

Qual é o mote principal do ambiente pessoal de aprendizagem? A pessoa que está aprendendo ou estudando, o faz por motivação própria e não por uma imposição. No design instrucional encontramos vários modelos para a criação e projeto de material educacional, sendo o mais famoso desses modelos o ADDIE (Análise, Design, Desenvolvimento, Implementação e Avaliação). O fator motivação não é lavado em consideração pelo modelo e deve ser fator fundamental no design de qualquer tipo de projeto.

design approach

No passado os treinamentos e conteúdos educacionais eram impostos as pessoas que precisavam do conteúdo, quase como uma imposição. Mas, hoje o aprendizado informal tem se mostrado mais eficiente em termos de resultado e também na otimização do tempo. Em momento algum o design instrucional se preocupa com o ambiente ou situação em que o aluno será envolvido pelo conteúdo. Qual o motivo que impede uma pessoa de estudar no seu próprio local de trabalho, aos poucos e de maneira informal? Usando exemplos e material preparado para contextualizar o aprendizado com a sua realidade?

Portanto, fica o desafio para quem trabalha com design instrucional que é adicionar o fator motivação aos cursos e treinamentos. Como é possível trabalhar os modelos mais tradicionais do design instrucional, que já são comprovadamente eficientes, mas que precisam de melhorias e revisão para se adequar as necessidades e características dos profissionais e alunos do século XXI?

Esse é um tipo de desafio que deixa qualquer designer instrucional com grandes problemas, pois esse fator é deveras subjetivo e pode ao mesmo tempo atrapalhar a experiência dos alunos de maneira geral. Mas, a ausência de motivação nos cursos pode ser ainda pior para o projeto como um todo.

Infográfico sobre a crise de crédito

Os infográficos são uma excelente maneira de explicar qualquer tipo de assunto, por mais complexo ou desinteressante que possa parecer a princípio, uma boa organização e conteúdos animados podem fazer a diferença. Podemos usar como exemplo para a elaboração de um bom infográfico usando animação, o infográfico animado publicado por um estudante de animação e mídias digitais americano, sobre o desenrolar e origens da crise econômica. Mesmo que perguntemos para pessoas e estudantes, a maioria deles não sabe ao certo o que é de a origem da crise. Um vídeo com bons gráficos e narração envolvente pode mostrar e explicar para qualquer aluno ao pessoa interessada.

O vídeo pode ser assistido nesse link em alta resolução, ou então aqui mesmo no blog usando o player abaixo. Mesmo estando totalmente narrado e com os textos na língua inglesa, com um pouco de atenção e paciência é possível entender bem o que está sendo explicado.


The Crisis of Credit Visualized from Jonathan Jarvis on Vimeo.

O mais impressionante desse tipo de projeto é que ele é um trabalho acadêmico e não é obra de um profissional especializado em edição de vídeo ou animação. Ainda assim é possível tirar várias lições do ponto de vista do design instrucional, para aprender um pouco mais sobre a produção desse infográfico.

Antes de mais nada é importante citar o valor pedagógico desse tipo de material no apoio a qualquer tipo de explicação. Um professor de geografia ou economia poderia em apenas 11 minutos explicar de maneira rápida e visual a crise econômica usando esse vídeo, mesmo sendo em inglês, o docente poderia acompanhar o vídeo narrando e traduzindo os termos.

Voltando a falar sobre o design instrucional, vamos listar as qualidades que fazem desse um bom exemplo de infográfico:

  • Uso inteligente de conceitos e princípios de animação
  • Uso inteligente de efeitos sonoros para mostrar respostas aos movimentos e interação dos gráficos
  • Imagens e gráficos simples
  • Muita imagem e poucas palavras (esse conceito foi emprestado das apresentações e palestras, mas vale aqui também)
  • Paleta de cores bem definida e persistente
  • Linha de pensamento bem definida
  • Imagens e gráficos contextualizados com a narração

Essas são algumas características que podemos listar sobre o infográfico, que podem ser aproveitados no processo de planejamento de vídeos relacionados a outros temas. De uma maneira ou de outra, fica a dica de um ótimo exemplo de material para aulas.