Mais um guia sobre as lições do Moodle

Sempre que posso estou comentando sobre as lições do Moodle, pelo seu alto grau de complexidade na parte de planejamento e também no retorno educacional. O uso de questionários com questões de múltipla escolha pode ser uma saída fácil e rápida para a maioria dos projetos de curso, mas em algumas ocasiões é necessário fazer os alunos pensarem. Nessa hora é que os questionários podem ser de grande ajuda. A estrutura de uma lição é muito semelhante a de um fluxograma, em que os alunos podem realizar a atividade de maneira totalmente não linear, e as suas respostas podem condicionar ou atrapalhar o seu desempenho geral.

Por exemplo, podemos configurar três questões dentro de uma lição e para que o aluno passe da segunda para a terceira questão, o mesmo deve responder uma pergunta. Se a resposta for errada, o aluno pode ser direcionado para uma página avisando sobre o erro, ou até mesmo voltar para a primeira questão e ter que fazer tudo novamente.

Como é possível configurar esse tipo de recurso? Se você for usuário do Moodle, ou simplesmente tiver curiosidade em saber como é que esse tipo de atividade é configurada, o vídeo abaixo mostra uma lição sendo configurada. Apesar de estar em inglês, a narração é de fácil entendimento, principalmente se você já usou o Moodle alguma vez.

O processo é bem simples e começa com a configuração geral da lição que é composta basicamente por um conjunto de páginas. Depois que a lição está configurada, podemos começa a adicionar páginas no conjunto. Cada uma das páginas pode apresentar os mesmos itens de uma página web, como material oriundo de sites sociais como o Flickr e Youtube, sem mencionar o uso de apresentações em slides para apresentar conteúdo condensado em slides.

Cada uma das páginas apresenta uma opção para adicionar perguntas ao conteúdo, com várias opções de resposta. Para cada alternativa que o aluno tem de responder, o professor ou tutor pode adicionar um feedback personalizado e também direcionar a navegação para outras páginas.

Depois disso é só disponibilizar o recurso para seus alunos, sem esquecer de oferecer algum tipo de orientação para os mesmos sobre o funcionamento desse tipo de atividade. Se os alunos estiverem acostumados apenas com o uso de questionários, a estrutura de uma lição pode ser um pouco confusa para usuários sem o conhecimento no recurso.

A importância das pesquisas e dados para ilustrar apresentações em slides

Uma das coisas mais interessantes para mostrar em palestras, apresentações ou aulas são dados sobre algo relacionado ao tema abordado na apresentação. Por exemplo, se o assunto da sua apresentação for “contrato pedagógico“, é interessante mostrar algum tipo de levantamento que mostre dados sobre o uso e aplicação desse documento em sala de aula. Quando é que um professor pode fazer uso do contrato como forma de cobrança para os alunos? Qual a porcentagem média de alunos que efetivamente lembra de ter assinado esse contrato no início do semestre?

Essas são informações que mesmo a título de curiosidade interessam as pessoas que assistem palestras sobre o tema “contrato pedagógico”. Isso faz com que a sua apresentação se transforme em algo que as pessoas podem associar facilmente com aprendizado, com o ganho de informações até então muito difíceis ou que iriam requerer esforço demais para conseguir. Já imaginou ter que fazer esse tipo de levantamento sozinho? Sempre que alguém usa esse artifício, mostrando dados e informações sobre um determinado nicho, a palestra fica mais interessante.

Spreadsheet

Nesse ponto, encontramos mais um desafio na hora de preparar e planejar apresentações e palestras, que é a escolha do tipo de informação que vamos divulgar, e depois de escolher o tema ainda precisamos localizar essas informações. A pesquisa dos dados é a parte mais crítica, por essa razão, sempre que leio um livro ou encontro uma tabela com dados que podem me ser úteis no futuro, encontro uma maneira de guardar o local em que estão os dados.

Como sei que muitas pessoas que visitam o blog, trabalham ou se interessam por educação a distâcia e assuntos relacionados à educação, uma das melhores fontes de informação sobre EAD ou educação superior é o site do INEP. O INEP é o instituto ligado diretamente ao ministério da educação, que tem a responsabilidade de fazer o censo da educação superior. Portando, se você precisar de dados estatísticos sobre educação superior ou EAD, o INEP tem tudo isso já tabulado. Por exemplo, você seria capaz de dizer o número total de alunos matriculados em cursos EAD hoje no Brasil? E o percentual de crescimento entre 2006, 2007 e 2008? Na verdade os dados de 2008 ainda estão sendo finalizados, mas mesmo assim é um tipo de informação extremamente importante para mostrar em qualquer palestra ou apresentação sobre EAD, os quantitativos e fazer projeções de crescimento.

Nesses últimos dias precisei encontrar dados sobre a evolução e popularidade dos cursos EAD, e no INEP encontrei as informações. Esse é mais um desafio para o design instrucional, garimpar dados e informações para enriquecer o conteúdo de apresentações.

Estratégia de design para slides: Como persuadir sua audiência?

Sempre que precisamos desenvolver algum tipo de apresentação em slides, seja para uma palestra ou aula, o objetivo é o mesmo: transmitir uma idéia. A idéia pode ser representada por um conceito ou fato científico, como é comum em aulas. Mas, no caso das apresentações empresariais o objetivo é vender uma idéia e tentar convencer a audiência sobre a qualidade de um produto ou serviço. O desafio para a maioria dos palestrantes é criar um tipo de slide, que consiga ao mesmo tempo comunicar a idéia e também convencer a audiência, sobre a sua qualidade.

Como criar slides que vendem idéias?

Se você quiser aprender um pouco mais sobre essa técnica, o Andrew Abela do ótimo Extreme Presentation publicou um slide que o mesmo usa para explicar a técnica necessária para conseguir esse conceito em slides. Para as pessoas interessadas, o slide é uma ótima fonte de informação e dicas sobre o design desse tipo de material. Talvez os professores e pessoal mais voltado para a produção acadêmica não encontre utilidade imediata, mas depois de analisar um pouco mais o conteúdo do material. Podemos aproveitar o mesmo para defender pesquisas.

estrategia-design-slides-powerpoint

Segundo o slide, uma apresentação de impacto é baseada em três fatores primordiais que são:

  • Use slides próprios para conferências: Aqui é importante caprichar no design dos slides para que os mesmos sejam apropriados para apresentação, e não o slide do tipo slidocumento. Aquele slide cheio de informações e poderia ser muito bem impresso e classificado como apostila. Uma dica interessante do material é a apresentação de detalhes simultâneos sobre o mesmo assunto, em apenas um slide. Assim é possível desenvolver o tema e ainda convencer a audiência com comparações entre diferentes produtos ou abordagens.
  • Aponte várias evidências para os fatos apresentados: Quanto maior for o número de fontes de informação e evidências sobre o assunto apresentado, melhores serão os seus argumentos na apresentação. Por isso, use o máximo que você tiver.
  • Apresente o conteúdo no formato de uma história: Apresentar conteúdo no formato de uma história sempre ajuda as pessoas a contextualizar o conteúdo, e aplicar os conceitos nas suas próprias realidades. Por isso, não será em vão pensar em uma pequena história para servir de apoio a sua apresentação.

Com essas dicas é possível trabalhar em uma apresentação mais direcionada a o convencimento e vender idéias, com o auxílio de apresentações em PowerPoint bem preparadas.

Melhorias nos relatórios do Moodle 1.9.5

Por melhor que o Moodle seja em termos de sistema para suporte a educação pela internet, ainda são necessárias várias melhorias e pequenos ajustes para que o mesmo fique adequado as necessidades de algumas instituições. Um dos pontos que precisa de melhoria é o sistema de relatórios do Moodle, mais especificamente o sistema que simula um tipo de boletim escolar dentro do sistema. Hoje esse sistema é organizado com base apenas nos dados e desempenho direto do aluno, sem o uso de opções e informações extras dos alunos.

Para a próxima atualização do Moodle, que será a 1.9.5, estão sendo planejadas algumas melhorias bem interessantes para o sistema. Entre essas melhorias estão a possibilidade de adicionar novos critérios de classificação para as atividades e até mesmo um ranking interno, para que o professor ou tutor do curso tenha uma idéia da posição do aluno em relação aos outros participantes. Caso você queira acompanhar a lista das melhorias e entender um pouco mais sobre essas novidades, a lista completa de melhorias para o Grade Book do Moodle 1.9.5 pode ser acessada nesse link.

boletim-moodle

Mesmo sendo um grande avanço, ainda credito que o sistema de relatórios do Moodle em relação aos alunos é um dos mais flexíveis e avançados no mercado de sistemas LMS. Apesar de não apresentar algumas ferramentas e opções de maneira nativa, a natureza aberta do Moodle, permite que uma instituição de ensino encomende para um programador ou empresa, a personalização dessa parte do Moodle, para atender seus critérios.

Isso é de extrema importância para a instituição, principalmente se o sistema de avaliação for diferente da escala de notas que estamos acostumados. Por exemplo, e se a instituição trabalhar apenas com conceitos? Como fica? E os sistemas LMS proprietários que só usam escalas com notas?

Um bom sistema de relatórios faz a diferença no final do semestre, quando o professor precisa fazer o fechamento das notas e acompanhamento final dos trabalhos. Caso o Moodle ou o sistema escolhido pela instituição de ensino esteja bem configurado, e o planejamento do curso seja adequado, será apenas questão de exportar o relatório para fazer a consulta dos dados.

Quando o designer instrucional se torna aluno!

Um designer instrucional é geralmente responsável pelo design e criação de materiais para cursos e algumas vezes do próprio curso em si. Mas, quando é necessário retornar para a sala de aula, para fazer uma reciclagem ou participar de um outro curso de pós-graduação, nos encontramos na situação em que somos mais críticos! Como alunos, podemos literalmente perceber algumas coisas em relação ao que está sendo desenvolvido pelo professor, como a linha de raciocínio e o material de apoio que está sendo usado para a aula.

Sempre que assisto uma aula em que o professor aparece com um arquivo único contendo mais de 300 slides no powerpoint, apenas com textos e tópicos que provavelmente são lidos na frente do projeto, um desânimo sobre a aula é inevitável.

Entre os diversos assuntos que estudamos no design instrucional, aprendemos que existem deterimados tipos de assuntos que são melhor apresentados e explicados com certos tipos de gráficos. Essa pesquisa que associa o uso de imagens como forma de aprendizado pode ser encontrada em vários livros e artigos. Uma das classificações que mais gosto e uso nos meus projetos, seja para uma palestra ou composição de apresentações em slides, que foi publicada por Clark e Mayer. Apesar de estar citando os nomes dos autores da técnica, o objetivo aqui não é trabalhar com um artigo científico, apenas apresentar a técnica.

Teachmeat BETT 09

Vejamos então os tipos situação mais comuns de encontrar em aulas e palestras, que precisam ser necessariamente explicados para diversas pessoas:

  • Fatos: Esse tipo de situação pode ser melhor apresentada usando fotografias ou imagens que melhor representem um lugar ou momento.
  • Conceitos: Um conceito geralmente é abstrato, por isso é interessante partir para o uso de símbolos ou gráficos chamados de interpretativos. Por exemplo, ao explicar o conceito de organização das moléculas de água no gelo, podemos usar um gráfico que mostra um conceito abstrato para nós de maneira a interpretar a explicação.
  • Processos: Quando é necessário explicar o funcionamento de alguma coisa, a melhor maneira é com gráficos chamados de transformação. Esses gráficos nada mais são que animações ou infográficos animados. Os processos também podem ser representados com o uso de gráficos relacionais, que são os famosos fluxogramas de processo.
  • Procedimentos: Se o assunto for uma seqüência de passos necessários para que alguma tarefa seja realizada, podemos também recorrer as animações.
  • Princípios: Aqui temos o mesmo caso dos gráficos usados para representar os processos, mas precisamos atentar para os princípios. Qual a diferença entre princípio e conceito? O princípio é um fato isolado que resulta na conclusão de uma tarefa, com relação direta entre causa e efeito.

Por exemplo, podemos pegar os gráficos que representam processos, usados na grande maioria das empresas como forma de melhorar a eficiência das suas atividades. Ao explicar esse tipo de objeto em sala de aula, ou mesmo em reuniões, a pessoa poderia usar gráficos de transformação animados, que poderiam ilustrar de maneira clara e objetiva o funcionamento do processo. Quando usamos imagens estáticas ou fotos nesse tipo de situação, o observador precisará abstrair o conceito de processo para poder entender o todo.

Infelizmente, esse tipo de dica só aparece depois que o material do professor ou palestrante já está sendo utilizado. Mas, fica a dica para quem precisar elaborar uma apresentação usando imagens ao invés de palavras.