Repositório de objetos de aprendizagem do ministério da educação

Todos que trabalham com educação, sabem que trabalhas com o ministério da educação pode ser uma experiência controversa, principalmente se você trabalha em uma instituição de ensino particular. Mas, esse artigo não é sobre os benefícios e maléficos impostos pelo ministério, mas sobre um projeto sob a tutela deles, para oferecer um excelente repositório de objetos educacionais, para que qualquer educador ou designer instrucional interessado em utilizar o material, nas suas aulas possa fazê-lo sem maiores problemas.

Mas, o que são objetos de aprendizagem?

Caso você não conheça os objetos de aprendizagem, saiba ele esse tipo de elemento educacional é o “santo-graal” do design instrucional e o sonho de qualquer instituição de ensino, que começa a trabalhar com esse conceito. O funcionamento é simples, você cria um objeto que pode ser um conjunto de textos, animação multimídia, vídeo ou infográfico. O processo de criação deve levar em consideração que o objeto deve funcionar como uma unidade de aprendizado independente, quase como se fosse um curso isolado.

Pode parecer complicado, mas depois que você se acostuma com o conceito fica mais claro. Para os que não têm experiência com o desenvolvimento desse tipo de elemento educacional, o repositório de objetos de aprendizagem do Mec, pode ser um pontapé inicial no seu entendimento.

Animal Cell

Depois de visitar o sistema pela primeira, vez, você vai perceber que lá é possível encontrar objetos divididos em várias categorias, como:

  • Objetos de aprendizagem para o ensino fundamental
  • Objetos de aprendizagem para o ensino médio
  • Objetos de aprendizagem para o ensino profissional
  • Objetos de aprendizagem para o ensino superior

As categorias separam e organizam os objetos de aprendizagem por nível de complexidade e dificuldade. Um dos aspectos positivos do material que é publicado lá, é que quase tudo está disponível sob uma licença Creative Commons, de maneira muito semelhante ao que acontece no Domínio Público, também mantido pelo Governo Federal.

Como o material está com esse tipo de licença, qualquer professor interessado em usar o material, não deverá encontrar maiores restrições e problemas com direitos autorais, para usar o material na suas aulas.

Existem até mesmo algumas imagens que usam estereoscopia, permitindo que alunos usando aqueles óculos especiais, com lentes coloridas, visualizem uma imagem em três dimensões.

Sliderocket: Melhor opção para apresentações em slides online – aberto ao público

Já faz um bom tempo que mencionei o Sliderocket aqui no Blog, como sendo uma ótima opção para criar e publicar apresentações na internet. Bem, a minha experiência com o sistema vinha apenas de vídeos de demonstração, pois até pouco tempo atrás, ele era um sistema fechado que permitia o acesso apenas com um número limitado de convites. Bem, há alguns dias atrás o sistema se tornou público e qualquer pessoa agora pode se inscrever para fazer os devidos testes. Assim que fiquei sabendo da possibilidade de usar o sistema, me inscrevi imediatamente.

Já faz alguns dias que estou usando o sistema para montar algumas apresentações e tenho um veredicto preliminar sobre a experiência; fantástico!

Quer ter uma idéia do que é possível fazer com o sistema? Veja essa apresentação em slides, que pode ser adicionada em qualquer página web, como blogs e até mesmo em sistemas LMS, como o Moodle:

Impressionante, não é?

Como funciona o sistema? A maneira com que as apresentações são criadas e gerenciadas é muito semelhante ao que é feito pelo Google Docs, mas com uma qualidade de apresentações e efeitos infinitamente superior.

Para ter uma idéia de como a apresentação fica bem feita, podemos fazer até uma breve comparação com o Keynote da Apple.

As transições entre os slides e os efeitos que podem ser aplicados em textos e imagens, mostram que o PowerPoint ainda precisa melhorar muito para chegar ao nível dessas apresentações.

Posso abandonar o PowerPoint? Ainda é cedo para adiantar esse tipo de informação, mas posso dizer que qualquer professor ou palestrante, deve vai ficar impressionado com o que é possível fazer com essa ferramenta fantástica.

Mas, os efeitos nas apresentações não são o maio atrativo, mas sim a possibilidade de integrar diferentes mídias como imagens e vídeos, diretamente da internet. Por exemplo, se você quiser usar uma fotografia que está no Flickr, o próprio sistema insere essa imagem para você, sem a necessidade de copiar a imagem e inserir nas apresentações. Com vídeos do Youtube o sistema é o mesmo!

Assim que estudar mais o sistema, publico um tutorial detalhado sobre o seu funcionamento para que professores, palestrantes e designers instrucionais possam aproveitar essa incrível ferramenta.

Por enquanto, o uso do sistema é gratuito, mas acredito que no seu lançamento deva existir algum tipo de taxa para usar o Sliderocket.

Curso de pesquisa avançada na internet para cursos EAD

Qualquer pessoa que pretenda fazer um curso pela internet deveria ao menos ter conhecimentos medianos em busca avançada em mecanismos de busca, como o Google. Na maioria dos cursos a distância, que usa a internet como apoio, existe um módulo introdutório que ensina a usar apenas o ambiente virtual, mas muito pouco ou nada é apresentado sobre busca avançada na internet. Como seria o impacto de um pequeno módulo como esse em cursos que usam internet como apoio? Será que isso poderia evitar um problema recorrente; as pesquisas de conteúdo em meios eletrônicos? Que é a repetição dos resultados de pesquisa.

Por exemplo, sempre que um professor ou tutor a distância solicita uma busca por um determinado conteúdo, para que os alunos façam um relatório ou uma pequena redação sobre o tema, os resultados sempre são baseados nos mesmos web sites.

RSS Diagram

O Google oferece os chamados operadores de pesquisa avançada, que permitem buscas com filtros bem específicos, fazendo com que uma mesma busca possa apresentar resultados bem distintos.

Outra opção fantástica de busca para os alunos são as chamadas redes sociais. Sempre que mostro o Del.icio.us os alunos fica impressionados com os recursos classificados e organizados por outras pessoas. A mesma coisa se aplica as fotografias disponíveis no Flickr e em várias outras redes sociais.

Fica ainda mais evidente um curso desse tipo, quando os alunos precisam estudar e usar a internet para aprender e acompanhar as atualizações nos sistemas de ensino. Quer ver outro recurso fantástico, que muitas vezes é ignorado pelos cursos introdutórios dos cursos a distância? O RSS, que é ferramenta fundamental para acompanhar as atualizações de conteúdos nos vários sistemas dos cursos.

Como você pode perceber, esse tipo de conteúdo é muito importante para alunos que precisam aprender pela internet.

Se eu fosse começar um projeto de curso, usando esses conteúdos, colocaria os seguintes temas para começar:

  • Mecanismos de busca
  • Operadores de pesquisa
  • Redes sociais
  • Atualizações com RSS

Caso você seja aluno de um desses cursos, ou o designer instrucional responsável pelos projetos dos cursos, fica a dica para enriquecer ainda mais a experiência dos seus alunos na internet.

Como planejar material educacional usando aprendizado baseado em projetos?

Na criação de material educacional, um designer instrucional pode utilizar várias maneiras para planejar a apresentação dos conteúdos para os alunos. Estou falando sobre designers instrucionais, mas isso se aplica a professores também, já que na maioria das instituições ainda é mais comum encontrar professores criando conteúdo. A dissertação, em que o conteúdo é descrito para os alunos é a maneira mais comum de apresentação, mas com um pouco mais de experiência e criatividade os autores começam a encontrar novas metodologias, como a ótima PBL, que pode ser associada com Problem Based Learning ou Project Based Learnning.

Como estou trabalhando em um material que envolve o uso de aprendizagem baseada em projetos, resolvi escrever um breve artigo sobre a experiência, sabendo que das primeiras vezes em que tentei usar essa metodologia, tive que aprender sozinho como melhor usar a técnica.

Project Plan for Showering

Pelo nome da procedimento, fica evidente que o método de ensino é baseado na descrição de um projeto real, que facilita muito o entendimento dos alunos, que podem acompanhar a maneira com que uma situação real é resolvida. No final da disciplina ou curso, os alunos podem saber exatamente o que fazer com aquela situação.

Esse é ao mesmo tempo um benefício e um problema.

O benefício é que os alunos aprendem com um projeto real. Mas, ao mesmo tempo ficam amarrados a apenas um único problema. Caso o aluno não seja estimulado a raciocinar e analisar cenários diferentes para aquele projeto, ele saberá apenas resolver um número limitado de problemas. Para aquele projeto em especial o aluno tem conhecimento de sobra, mas é só entrar uma variável diferente que a coisa muda.

Como fazer para evitar isso?

Se você quiser usar esse mesma metodologia, recomendo que faça algumas pequenas observações ao longo do material didático do curso, até mesmo como exercício para evitar esse problema.

  • No início de cada módulo ou aula deixe claro; o que será feito
  • No final de cada módulo ou aula; apresente exemplos de como variáveis adversas poderiam direcionar o projeto para outros caminhos
  • No desenvolvimento do conteúdo; apresente condicionantes das situações. Aqui a palavra SE é muito importante. Se isso fosse…, Se o preço for diferente…., Se não existir….

Apenas com essas pequenas observações, será possível criar um material ou curso que mostre de maneira clara aos alunos as diversas maneiras e caminhos que um projeto pode tomar.

Pode até parecer simples, mas a simulação desses cenários pode tomar uma grande parcela do tempo necessário, para planejar qualquer atividade educacional. Mesmo assim, ela é imprescindível para o sucesso da aprendizagem baseada em projetos.

Estratégias para usar Mapas mentais no planejamento de material educacional

Há alguns meses atrás mencionei aqui no blog o uso de mapas mentais, como ferramenta para trabalhar e criar material educacional. Essa técnica tem sido muito útil na organização e tratamento de informações complexas, para projetos de cursos e materiais educacionais que envolvem grande quantidade de informação. Uma experiência que tenho feito esse semestre nas minhas aulas é substituir alguns slides carregados de texto, por mapas mentais para meus alunos. Os slides geralmente abordam algum conceito que envolve grande quantidade de informação.

Com os mapas mentais, posso trabalhar essa informação de maneira visual e fazer ligações entre os mais variados nós.

Caso você não lembre, esse é um exemplo de um mapa mental:

mindmap [RE]Design

Para criar um mapa como esse; você deve elencar um assunto ou tópico principal que será a raiz do mapa. Depois que o tópico principal for definido, geralmente ele é o assunto principal do mapa, você deve começar a fazer as ramificações, que levam a mais ramificações para criar a imagem de um mapa.

Assim que boa parte da suas idéias estiver no papel, no formato de um mapa mental, ficará mais fácil identificar relacionamentos e até mesmo, visualizar a falta de um tópico importante.

Além das minhas aulas, estou usando mapas mentais para estudar também. Estou fazendo um curso de gestão de instituições de ensino, que geralmente envolve o estudo de muita legislação e normas próprias dessas instituições. Na maioria das vezes, os professores do curso apresentam apenas material textual. Mas, no meu caso, sempre que posso estou transformando tudo em mapas mentais, o que está facilitando muito o estudo.

Caso você queira usar esse tipo de mapa, para planejar os seus materiais educacionais, recomendo o uso de uma ótima ferramenta chamada MindMeister. É com esse sistema que estou criando a maioria dos meus mapas, pelo fato dele ser gratuito e estar disponível na web. Portanto, sempre que for preciso, posso até mesmo enviar um link direto do meu mapa mental, para os meus alunos. Assim o processo de compartilhamento dos mapas fica mais fácil.

A conta gratuita do MindMeister é limitada a seis mapas mentais apenas, mas você pode fazer uma cópia deles em imagem, para começar novos mapas.

Como ferramenta de apoio ao planejamento de material educacional, esse tipo de recurso está se tornando fundamental! O trabalho de um designer instrucional envolve a manipulação e síntese de várias informações, para a criação de um curso, disciplina ou material didático. Para isso, usar mapas mentais pode acelerar o processo de planejamento significativamente.