Dicas para pesquisa de conteúdo em texto para aulas

Agora que já publiquei um texto sobre pesquisa de material multimídia para revisão de planos de aula, agora é hora de falar sobre material textual. Nesse ponto podemos usar a mais recente onda “social” da internet e usar a colaboração online a nosso favor. Isso mesmo, ainda hoje quando falo sobre redes sociais com alguns colegas professores, os mesmos ficam surpresos com a quantidade de pessoas que compartilham e classificam informações na internet, tudo de maneira gratuita. Eu mesmo costumo dizer para os meus colegas que vou colocar a minha “equipe” para pesquisar conteúdo.

365.018 Lesson Planning

Bem, vamos às dicas! As redes sociais que mais utilizo para pesquisar conteúdos para as minhas aulas são as seguintes:

  • del.icio.us: Rede de favoritos sociais, em que usuários podem armazenar web sites e links sobre qualquer assunto. Quando alguém armazena um determinado link, pode atribuir a esse endereço palavras chamadas tags, que facilitam a busca por links de interesse comum. Por exemplo, uma pesquisa por Moodle no sistema, retorna os web sites e links armazenados por todos os usuários que tenham relação com o Moodle. Qualquer professor ou pesquisador, precisa conhecer e dominar o uso do del.icio.us, ele é indispensável na pesquisa assim como o próprio Google.
  • Slideshare: Ótima rede social sobre apresentações! Qualquer pessoa pode fazer o upload de uma apresentação produzida no PowerPoint e ela fica disponível para consulta e algumas até para download. Seria o Youtube das apresentações.

Essas são redes em que usuários como eu e você alimentam e classificam conteúdos na internet. Outro meio poderoso de selecionar conteúdo é com o próprio Google. Muita gente sabe apenas digitar o assunto pesquisado na caixa de busca e espera encontrar os links.

O Google disponibiliza muitos recursos para refinar as suas buscas. O domínio desses recursos, chamados de operadores de busca é fundamental para qualquer professor! Sem um bom mecanismo de busca na internet, a nossa capacidade de encontrar conteúdos e dados na internet fica muito limitada.

Por exemplo, se você quiser encontrar dados estatísticos sobre um determinado assunto, para uma apresentação, como você faz? Quem domina os operadores, pode usar um simples filetype e procurar por arquivos PPT e vai encontrar apresentações feitas por outras pessoas, que podem conter os dados que você procura. Está vendo como esse recurso é poderoso?

Como aprender a usar esses operadores? Para quem se interessar, a Wikipédia tem uma lista interessando dos operadores avançados, assim com dicas de como usar os mesmos.

Espero que com essas dicas, você consiga atualizar o seu plano de aula, com mais recursos e melhore suas apresentações.

Recursos e dicas para revisar o plano de aula

Como qualquer professor que está se preparando para começar um novo semestre de atividades em pouco mais de 2 semanas, na maioria das instituições de ensino, estou revisando o meu plano de aula do último semestre. Cada disciplina pode sofrer ajustes dos mais variados tipos, dependendo do motivo, seja ele o feedback negativo dos alunos por algum determinado material ou até mesmo mudanças na área do conhecimento ocorridas nesses últimos seis meses e que precisam ser ajustados. Os professores que lecionam assuntos relacionados com tecnologia sabem bem o que é isso.

Na maioria dos casos, os ajustes se fazem presentes nos textos de apoio ou nos slides das aulas. Que por sinal devem sempre estar crescendo em termos de conteúdo. Sempre dá para melhorar alguma coisa.

Table of Contents

Para ajudar os colegas que estão precisando fazer o mesmo tipo de tarefa, mas que não tem referências ou indicações sobre os lugares na internet em que podem encontrar materiais para suas aulas, resolvi compilar uma pequena lista, com lugares que oferecem conteúdos gratuitos ou visuais, para melhorar as suas aulas.

A primeira parte é o conteúdo visual, como conseguir boas imagens? Nesse quesito, sempre uso três opções:

  • Flickr: Maior rede social de fotógrafos do mundo, como o nome mesmo diz a rede é especializada na divulgação de imagens e fotografias. A maioria das imagens é protegida por direitos autorais, mas também existem opções licenciadas sob creative commons. Para ambientes de EAD é o mais indicado, pois permite que algumas das fotografias sejam inseridas em páginas web, de maneira semelhante ao que acontece com o Youtube.
  • Stock xchng: Banco de fotografias e imagens, a maior parte das imagens disponíveis é gratuita.
  • IStockphoto: Quando a apresentação ou aula necessitar de material de melhor qualidade, a solução é recorrer a sistemas pagos. No meu caso uso muito do IStockphoto, que disponibiliza fotografias livres de direitos autorais. A grande maioria das imagens é paga, mas vale a pena para aquela palestra ou apresentação importante.

Como parte das aulas, uso muitos vídeos para contextualizar e apresentar cenários. Aqui temos o clássico Youtube e outro sistema com vídeos de melhor qualidade, chamado Vimeo.

Agora que você já sabe pesquisar imagens e material visual, aguarde pelo próximo artigo sobre pesquisa de conteúdo textual e científico.

Até lá.

Sistema de apoio ao aprendizado a distância brasileiro pode ganhar apoio da Dataprev

Aqui no blog estou sempre falando e mencionando o uso do Moodle como ferramenta de apoio e gerenciamento de cursos a distância, o motivo é simples, utilizo esse sistema já faz muito tempo em vários cursos que projetei e ajudei a implementar. Fora isso, o Moodle é um sistema LMS consagrado no mundo todo! Várias universidades e instituições de ensino, sem falar de empresas, usam o Moodle como seu sistema principal de ensino. Inclusive o Moodle é usado pelo governo federal em vários projetos envolvendo EAD.

Hoje o foco desse artigo é uma possível sinalização de mudança por parte do governo federal, em adotar um sistema LMS nacional chamado Amadeus. Esse sistema é desenvolvido pelo centro de informática da UFPE e chamou a atenção da Dataprev, que fez uma visita ao centro para conhecer a avaliar o sistema. Você pode conferir o texto da notícia aqui.

Mas e o Amadeus? Qual o motivo de tanta atenção? Depois de fazer uma visita ao web site oficial do sistema, fica claro o interesse da Dataprev no Amadeus. O conceito de blended learning que ele apresenta é muito interessante, e está totalmente dentro do contexto tecnológico atual. Posso dizer até mais, esse conceito está muito a frente do que podemos oferecer em termos de tecnologia educacional no Brasil.

Ele funciona assim, o Amadeus disponibiliza de maneira nativa, integrados ao seu sistema a possibilidade de oferecer conteúdo educacional para desktops, celulares, PDA`s e futuramente até TV interativa. Tudo isso sem a necessidade de usar módulos ou plugins extras, como acontece no Moodle.

Isso é muito legal do ponto de vista tecnológico. Mas e o aluno? Posso dizer que esse conceito de blended learning está à frente da nossa realidade, em que nem todos os usuários e estudantes têm acesso a internet ou smartphones.

Antes que você vá correndo fazer testes com o Amadeus, ele ainda está em desenvolvimento e não deve ser usado em ambientes de produção. O sistema ainda está em Alpha, mas mostra muito potencial! Sendo software livre, pode trazer opções interessantes para concorrer com o Moodle.

Vou ficar de olho no Amadeus e acompanhar de perto o seu desenvolvimento, pois o sistema é muito promissor. Para saber mais sobre a técnica do Blended Learning e do projeto Amadeus, recomendo a leitura desse artigo científico que foi escrito por pessoal da própria UFPE, envolvidas no projeto.

E para saber ainda mais, como telas do sistema e exemplos do seu uso, faça o download desta apresentação em PowerPoint do projeto, disponível no web site da ABED.

Como o projeto de um curso a distância pode influenciar seu desempenho?

Todos que trabalham com educação estão cientes que a atividade de tutoria a distância não é fácil, por vários motivos. Dentre eles o próprio projeto do curso em que o tutor atua, pode ser um complicador para a sua experiência. Depois de alguns semestres trabalhando junto de tutores e fazendo projetos de cursos, percebi que a experiência do tutor no curso tem influencia direta sobre o uso do material do curso e dos objetivos claros de cada módulo, que devem estar presentes no projeto do curso também.

Como fazer um curso que potencialize o trabalho do tutor? É só seguir algumas regras de simples de design instrucional, que a interação fica mais clara.

Ruth online

Muita gente ainda baseia o treinamento do tutor, no uso eficiente das ferramentas de comunicação da internet, como fóruns e e-mail. Isso é importante sim, mas eles são apenas o instrumento de comunicação que será usado para atingir um objetivo claro.

Esse objetivo que mencionei é um dos pontos chaves da experiência! A definição de objetivos claros para o aluno é uma premissa fundamental no design de qualquer ambiente de educação a distância, seja com qualquer sistema ou nível. O aluno deve ter muito claro na sua mente; o que eu vou aprender?

Se isso não estiver claro para o tutor, então temos distorções terríveis no processo de aprendizado. Também sei que muita gente gosta de colocar objetivos com o famigerado verbo “conhecer”. Sempre que preciso escrever um projeto, evito usar esse verbo, pelo simples fato dele abrir possibilidade para interpretações subjetivas, que geralmente resultam em aprendizagem superficial dos assuntos abordados.

Como fazer? Escreva os objetivos começando com esses verbos:

  • Dominar…
  • Ser capaz de…
  • Utilizar…
  • Aplicar…

Todos esses verbos denotam aplicações práticas do conhecimento e geralmente deixam pouca margem para interpretações subjetivas.

Com os objetivos bem definidos, você deve colocar esse texto em todos os lugares possíveis do seu LMS! Sim, os alunos devem saber isso de cabeça, assim como os tutores! Até para fins de avaliação do seu desempenho no curso, se o aluno perceber que não conseguiu o objetivo, ele pode concluir que o curso não foi bom.

Outro ponto importante, a qualidade do material do curso deve ser suficientemente boa apara auxiliar o trabalho do tutor. Sem material de qualidade para apoio ao aprendizado, não há tutor que consiga fazer milagre com os alunos.

Se os objetivos do curso estiverem bem definidos, você pode até mesmo pedir ao tutor para indicar textos complementares, para auxiliar no aprendizado dos alunos.

Com esses dois pontos bem definidos, e um planejamento prévio de prazos e ações de interação, o trabalho de qualquer tutor fica muito mais fácil!

Usando as lições do Moodle para aplicar atividades complexas

O Moodle tem ferramentas muito interessantes para ministrar e oferecer atividades diferenciadas, aos participantes de qualquer curso a distância. Mesmo que a maioria dos cursos e tutores online ainda tenha preferência por atividades mais simples, como o uso de textos, fóruns e questionários. Esse tipo de atividade é mais simples e demanda menos planejamento e design instrucional. Bem, dentre as várias opções disponíveis uma das minhas favoritas é a lição. Ela funciona de maneira diferente dos fóruns e Wikis, mas permite uma flexibilidade incrível por parte dos tutores! Além disso, esse é o único recurso do Moodle que permite configurar pré-requisitos, antes que o Activity Lock esteja disponível no Moodle 2.0.

O Moodle foi projetado para permitir que os alunos possam participar das atividades dos cursos, de maneira aleatória. Ele visita os links e textos em ordem e no final realiza algum tipo de atividade de fixação. Com a lição é possível quebrar essa estrutura linear nas aulas, permitindo que o aluno navegue por textos e materiais em ordem.

Veja esse diagrama, que mostra de maneira clara a estrutura de uma lição no Moodle.

Funciona assim, você pode especificar um pequeno texto, seguido por uma pergunta de fixação sobre aquele conteúdo. Caso o aluno acerte a pergunta, ele pode avançar na lição e ler um novo texto ou assistir um vídeo, caso a resposta esteja errada, você pode direcionar a navegação dos alunos para um texto corretivo, com a explicação detalhada do erro e sugerindo uma nova leitura.

Como você pode ter percebido, o planejamento desse tipo de atividade é muito mais complexa que um simples texto para leitura. O tutor ou responsável pelo curso precisa planejar com cuidado a seqüência de navegação do aluno, direcionando o mesmo para páginas específicas.

Outro ponto importante, na configuração da lição é possível escolher uma dependência a uma lição anterior. Assim o aluno só consegue avançar no curso se participar das lições anteriores

Essa é a melhor maneira de direcionar o aprendizado do aluno, ao menos até que o Moodle 2.0 seja lançado e tenhamos o Activity Lock que permite aplicar esse mesmo conceito a todos os itens do Moodle, seja uma página Web ou até mesmo fóruns.

Bem, agora você já sabe o que faz esse recurso do Moodle. Com o tempo publico mais tutoriais e dicas sobre como configurar esse recurso.