Pré-requisitos para atividades no Moodle 2.0?

Que o Moodle é um ótimo LMS, isso é fato. Mas é sempre possível melhorar algo que já é bom. Pensando nisso é que alguns desenvolvedores do Moodle estão planejando uma ferramenta que fará a alegria, dos professores e gestores de cursos a distância que usam a ferramenta como apoio. Essa novidade consiste em um sistema de pré-requisitos para seguir nos cursos. O que é um pré-requisito? Quem trabalha com design de cursos sabe que um pré-requisito é uma condição especial, necessária para progredir em um curso. Por exemplo, um aluno que não é aprovado em uma disciplina, que é pré-requisito para outras em períodos seguintes, fica impedido de progredir no curso.

Algumas instituições de ensino não usam mais pré-requisitos para não prejudicar os alunos, mas o sistema faz sentido. Mas como isso se aplica ao Moodle?

O que está sendo planejado para o Moodle é o seguinte, os professores e gestores dos cursos pela internet, podem determinar algumas condições para que o aluno possa progredir no curso. Por exemplo, para visualizar um questionário de avaliação é necessário que o aluno abra um determinado número de textos, podendo inclusive precisar ficar nos textos por um período específico de tempo.

Isso evita que o aluno acesse áreas do curso, em que o professor gostaria que ele visitasse apenas quando o conteúdo estivesse totalmente assimilado. Outro ponto importante para a gestão de cursos, com os pré-requisitos os professores podem evitar que os alunos tentem realizar as tarefas de avaliação, sem que tenham lido ou consultado um mínimo de material.

Ainda é cedo para dizer quando esse tipo de recurso estará disponível, mas alguns administradores de sistemas Moodle já estão usando versões modificadas, com uma simulação dos pré-requisitos. Você pode saber mais sobre o assunto, nesses dois links:

  • Lista de recursos para o Moodle 2.0
  • Discussão sobre pré-requisitos nos fóruns do Moodle

Esse é um exemplo do controle disponível, nas versões modificadas do Moodle, com o sistema de pré-requisitos:

Claro que é tudo muito experimental e problemas de instabilidade e compatibilidade existem, por isso se você quiser testar, tenha em mente que não é recomendável usar essa versão experimental em cursos ainda, use apenas para teste. Se você é professor, mas não tem experiência com servidores e sistemas como o Moodle, não se preocupe.

O importante agora é saber que a ferramenta de pré-requisitos estará provavelmente no Moodle 2.0, que junto com os projetos do SoC 2008 mostram que o futuro do Moodle ainda pode reservar gratas surpresas, para educadores que procuram ferramentas eficientes para ensinar com o apoio da internet!

Apresentação sobre objetos de aprendizagem

Se você trabalha com educação, deve ter escutado ou lido sobre os famosos objetos de aprendizagem em algum lugar. Caso você não saiba sobre o que se trata, posso dizer com segurança que esse é um dos principais objetivos de qualquer pessoa que trabalhe com design instrucional. Em tempos de corte de cursos e retorno máximo sobre o investimento, a possibilidade de criar objetos que possam ser reaproveitados é tentadora, para a maioria das instituições de ensino e profissionais que trabalham com educação a distância. Infelizmente o conceito ainda é pouco explorado, sendo que professores e até gestores, de instituições de ensino ainda desconhecem o conceito.

Se você está na mesma situação, existe uma ótima apresentação em vídeo que fala sobre a essência dos objetos de aprendizagem. Para assistir a essa apresentação, visite esse link. O material está narrado em inglês, mas é de fácil entendimento.

O vídeo mostra o que são os objetos de aprendizagem e faz uma separação muito apropriada no início, eles separam imediatamente o que é objeto de aprendizagem de um material de consulta.

Outro ponto importante, eles listam as principais características de um objeto de aprendizagem que são:

  • Possibilidade de ser reutilizado: Essa é a chave para o sucesso! Já pensou montar um curso, só com objetos de aprendizagem? Seria como criar um quebra-cabeça com peças de lego, que podem criar várias formas, sendo que é possível aproveitar as peças menores em qualquer um dos formatos.
  • Funcionar como um objeto de aprendizagem independente: Um objeto de aprendizagem pode funcionar em conjunto com outros objetos ou de forma isolada.

O que pode ser considerado um objeto de aprendizagem? Na verdade qualquer coisa pode ser transformada em objeto de aprendizagem, desde um simples texto até vídeos e infográficos interativos. Tudo depende da pessoa que está elaborando e cuidando do projeto.

Pode parecer até algo confuso, pelo uso da palavra objeto pensamos que esse tipo de recurso é algo tangível, quando na verdade é um conceito abstrato. Tente perguntar a um professor ou aluno se ele já viu um objeto de aprendizagem? A variedade de interpretações será enorme!

Espero que com esse vídeo, o conceito tenha ficado mais claro. Qualquer pessoa que queira trabalhar de maneira séria com educação a distância ou treinamentos, de maneira eficiente tanto pedagogicamente e economicamente deve dominar o conceito de objetos de aprendizagem.

Agora, se prepare para organizar um inventário de objetos. Depois que começamos a trabalhar com esse tipo de recurso, temos uma infinidade de pequenas partes de treinamentos e aulas, para montar cursos novos.

É como ter vários capítulos de livros, que por si só funcionam de maneira independente. Esses mesmos capítulos podem ser combinados, para formar novos livros. Interessante não é?

Blog como atividade acadêmica no Moodle

Você já ouviu falar sobre o Google Summer of Code? Essa é uma iniciativa do Google que oferece prêmios em dinheiro, para estudantes de informática que estão de férias durante o verão no hemisfério norte. Boa parte dos esforços desses estudantes está direcionada a criação de novas funcionalidades e ferramentas, para softwares de código aberto. Nesse ponto, temos uma influência direta na área de educação! Sim, o Moodle como LMS de código aberto, nos últimos anos tem participado ativamente do Summer of Code e esse ano não foi diferente.

Funciona assim, um estudante submete um projeto para a comissão do Summer of Code e ele pode ou não ser aprovado. Nesse ano o Moodle teve 12 projetos aprovados. Se você tiver curiosidade em conhecer a lista completa (em inglês), visite esse endereço.

Google SoC logo

Tomei a liberdade de traduzir o título de alguns dos projetos:

  • Blog como atividade
  • Relatórios sobre notas animados
  • Novo tema personalizável
  • Biblioteca de feeds
  • Módulo de rastreamento de competências dos alunos
  • Identificando e solucionando problemas de usabilidade

Essa é apenas uma lista parcial, omiti os itens relacionados com o desenvolvimento.

Na sua maioria os itens são direcionados para a melhoria das funções administrativas do sistema, mas uma deles me chamou a atenção, o projeto que envolve a melhoria do Blog.

Hoje o Moodle já possibilita o uso de Blogs por professores e alunos dos cursos, mas eles servem apenas como ferramentas de comunicação. O objetivo do projeto é transformar o Blog em uma atividade, com a possibilidade de usar a experiência para avaliar o conhecimento do aluno.

Isso é fantástico! As possibilidades para cursos mais longos são excelentes, como o acompanhamento dos professores no desenvolvimento gradual do aprendizado dos alunos. Por exemplo, um professor pode passar um trabalho de pesquisa, no qual o aluno precisa falar sobre vários assuntos durante as próximas semanas, sendo que o aluno publica seus textos diretamente no Blog. Então, aos poucos o professor vai avaliando e atribuindo notas a freqüência de publicação e qualidade dos textos.

Ainda é cedo para fazer qualquer tipo de avaliação sobre o projeto, até porque ele pode nem ser finalizado. Tudo depende do empenho da pessoa responsável pelo projeto. Mas uma coisa é certa, usar esse tipo de recurso como atividade exige que professores e alunos se adaptem a essa realidade; ferramentas colaborativas devem ser usadas para educação!

O Moodle já tinha Wikis como atividade, com a possível inserção de Blogs ele se consolida ainda mais como rede social voltada para educação.

Modelos gratuitos de PowerPoint

Hoje vou mudar um pouco o assunto de costume, ao invés de falar sobre ferramentas para educação a distância e ensino por meio da internet, o assunto hoje é mais um web site com modelos gratuitos para download, no formato apropriado para PowerPoint. Não existe nada pior que assistir a uma apresentação ou aula, ministrada com o apoio de slides, em que esses mesmos slides estejam com design pobre. Por melhor que seja a sua oratória, usar slides em uma apresentação no PowerPoint com design, pode até prejudicar o sucesso da apresentação.

Uma empresa chamada PesentationPoint, que oferece serviços de configuração e design de slides para PowerPoint, resolveu disponibilizar de maneira gratuita no seu web site vários modelos com ótimo design, para que qualquer pessoa possa copiar e usar.

Modelos de powerpoint

No total temos doze modelos, que perfazem layouts para apresentações sobre negócios e até para profissionais e professores na área de saúde. Antes de mais nada, para fazer o download dos modelos, visite esse endereço.

Agora, alguns comentários sobre os modelos. O tamanho deles é de aproximadamente 1MB, alguns tem menor ou maior tamanho.

Todas as apresentações vêm com design pronto para vários modelos e layouts. Por exemplo, na página inicial do web site podemos visualizar apenas o slide título, mas assim que fazemos o download é possível acessar e conferir os layouts prontos para os outros formatos de slide.

Uma coisa na qual você deve prestar bastante atenção, no final de cada um desses modelos está disponível o modelo de licença em que os slides são distribuídos. Na sua grande maioria, os slides podem ser usados apenas para fins particulares, ficando vetado o uso para finalidades comerciais.

Quer uma dica? Visualize todos os slides para pegar inspiração. Depois, abra o PowerPoint ou impress e tente criar o seu próprio modelo. Não estou dizendo para que você faça uma cópia, apenas aprenda com o posicionamento correto dos elementos, e a escolha sensata da paleta de cores.

Todos esses fatores podem ser identificados e estudados com esses modelos gratuitos. Caso você sinta que não tem habilidade mesmo para fazer seu próprio modelo, o que acha de comprar um dos modelos do PresentationPoint?

Criando questionários e avaliações com o Zoho Challenge

Uma das ferramentas que mais faz sucesso entre professores que tem os primeiros contatos com o Moodle ou sistemas LMS são os questionários. A possibilidade de montar questionários e exercícios, que se corrigem automaticamente é tentadora, para professores que ministram aulas para um grande número de alunos. Claro que quem tem a disposição um sistema LMS, não precisa se preocupar com a implementação ou configuração das perguntas, pois o sistema já faz tudo para você. Mas e que não tem? Se você é professor de uma instituição que não usa um sistema LMS ainda, mas quer aplicar questionários online, existe solução?

Sim! A ótima plataforma de aplicativos gratuitos Zoho, disponibiliza o Zoho Challenge que é destinado a elaboração e compartilhamento de questionários e testes online.

Antes de mais nada, para acessar o sistema é preciso ser cadastrado no Zoho para cadastrar perguntas e criar questionários. Tudo é gratuito, portanto não se preocupe com o cadastro. Para quem quiser apenas testar o Zoho Challenge, escolha a opção Direct Login, mas todas as perguntas cadastradas podem se peder.

Depois que você tiver realizado o seu cadastro no sistema, será possível começar a criar questionários e um banco de perguntas.

Ao criar perguntas é possível escolher entre múltipla escolha e respostas dissertativas, claro que as respostas dissertativas não são de correção automática. As perguntas ainda podem ser agrupadas em categorias, para que seja fácil localizar as questões no futuro. Como adicional ao questionário podemos limitar o tempo que o aluno tem para responder as perguntas, de maneira semelhante ao que acontece no Moodle.

No final, ainda é possível visualizar os resultados de maneiras diferentes para conveniência do professor. Por exemplo, ele pode consultar um gráfico com o desempenho dos alunos e conferir a performance de cada um nos questionários.

De maneira geral o Zoho Challenge é uma excelente opção para professores que estão instituições de ensino que ainda não aderiram a um sistema LMS, mas gostariam de usar a internet como apoio. Mesmo aqueles que já usam sistemas como o Moodle, podem se beneficiar do Challenge.

Eu já estou usando!