eGames: Ferramenta gratuita para criar jogos educacionais

Uma das melhores ferramentas de aprendizado em ambientes eletrônicos são os jogos. Isso a maioria dos educadores sabem, mas o problema com os jogos é que eles precisam ser criados. Para professores ou instrutores, que tem a disposição uma equipe de design instrucional, isso não é problema. Mas uma pessoa que queira investir em educação a distância, ou treinamentos online por conta própria, fica desprovida de recursos para trabalhar com objetos mais interativos. Para suprir essa necessidade, existe um serviço muito interessante, chamado de eGames Generator que disponibiliza uma plataforma gratuita para criação de jogos educacionais online.

Jogos educacionais

O processo é extremamente simples, permitindo que qualquer pessoa interessada em criar um jogo educacional, possa sem maiores conhecimentos técnicos, elaborar um.

Mas, como funciona? É possível criar qualquer jogo? Na verdade, essa facilidade tem um preço. Para possibilitar essa rapidez na produção, o sistema apresenta vários modelos prontos, que apenas necessitam de informações para ficarem prontos. Por exemplo, se o jogo é deve estimular o aluno a associar imagens com palavras, existe um modelo pronto para isso chamado de “Connect it”. Assim que o professor escolhe o modelo do jogo, depois faz o upload de imagens e adiciona os textos.

Para finalizar o processo, ainda é possível escolher as cores e opções de Layout para o jogo. Apesar de não serem muito agradáveis visualmente, elas possibilitam que qualquer pessoa possa personalizar a aparência dos aplicativos.

Apesar de oferecer todas essas facilidades existem alguns cuidados, que o professore deve ter para publicar o jogo. A maioria dos controles está em inglês, isso não pode ser personalizado na produção do jogo. O nível de complexidade dos aplicativos é básico, recomendo o uso desse tipo de iniciativa para educação básica, ou simplesmente na criação de questionários em Blogs ou Wikis, para a educação de nível médio ou treinamento corporativo.

Um ponto positivo para o sistema; os jogos podem ser salvos no computador do professor.

Se você sempre quis usar jogos, para as suas aulas, esse sistema pode tornar isso realidade com um esforço mínimo no aprendizado de desenvolvimento de jogos.

circaVie: Como usar linhas de tempo para ensinar história a distância?

Quem já não precisou recorrer a algum evento histórico, para explicar algum assunto ou fato? Bem, se você já precisou ministrar aulas presenciais, deve ter usado o quadro branco para fazer aquela velha linha do tempo, com ramificações para mostrar a seqüência de acontecimentos e contextualizar o assunto dentro do que você precisa explicar. Até ai tudo bem, mas e se você precisar fazer o mesmo à distância? Por exemplo, você tem um blog e quer compartilhar com os seus alunos uma seqüência de fatos históricos. Para quem sabe usar ferramentas de ilustração, pode muito bem desenhar a linha do tempo, mas nem todos os professores têm conhecimento nessas ferramentas. Então como resolver?

Essa foi a pergunta que um colega professor me fez. Ele precisa mostrar fatos históricos no seu projeto de Blog para educação, mas ele não tem habilidade alguma para o desenho ou uma equipe de design instrucional disponível.

Para ajudá-lo, existe um serviço muito interessante chamado circaVie, que permite a qualquer pessoa criar uma linha do tempo interativa e compartilhar a sua criação. O sistema até permite incluir a linha do tempo em blogs e páginas que aceitem HTML. O que é perfeito para qualquer sistema LMS, como o Moodle.

Veja o exemplo abaixo, a linha do tempo mostra como surgiu à organização chamada WWF:

O melhor de tudo, cada imagem associada a um evento histórico, pode conter informações extras. Por exemplo, ao clicar na imagem, uma nova janela abre com um breve texto explicando o conteúdo ou evento representado pela imagem.

Isso é fantástico para exemplificar eventos históricos e linhas de raciocínio! Agora os professores podem, sem conhecimento algum em ilustração, ou mesmo em design instrucional. Tudo que ele precisa é um bom conjunto de imagens, para retratar os eventos históricos e um pouco de tempo para montar a linha do tempo.

Como nós professores somos contadores de história, por natureza, essa ferramenta vem facilitar esse processo, com uma interação mais visual para qualquer seqüência de acontecimentos. Se você trabalha com educação a distância, ou pretende um dia trabalhar, essa ferramenta é um grande auxilio para você. O melhor de tudo? O seu uso é totalmente gratuito!

Livro gratuito para download: 162 dicas para trabalhar com EAD

O que você acha de começar o ano de 2008, com um ótimo livro gratuito, com dicas em ferramentas e metodologias de EAD? Pois o pessoal do e-learning guild preparou um presente para nós, que trabalhamos com educação a distância. Eles disponibilizaram, de maneira gratuita para download, um livro eletrônico com 162 dicas para trabalhar com ferramentas e metodologias para educação a distância. As dicas abrangem vários aspectos do trabalho com educação a distância, desde o design do conteúdo a critérios para selecionar as ferramentas e implementação em sala de aula, como apoio as aulas presenciais.

Livro EAD

Se você está indeciso, sobre a utilidade do conteúdo, para o seu ambiente de trabalho, resolvi compilar uma pequena lista, com os principais assuntos abordados. Claro que o material está em inglês, mas com um pouco de paciência e leitura cuidadosa, mesmo quem não tem prática no idioma, pode entender tranquilamente!

  • 7 dicas no design de material educacional: Aqui o texto mostra várias dicas relacionadas ao design instrucional, como o balanceamento de conteúdos síncronos com assíncronos. Assim como a escolha das plataformas e tecnologias.
  • 6 dicas no desenvolvimento de material educacional: Essa parte do guia, fala sobre a criação de conteúdo para cursos a distância. As dicas aqui envolvem a produção e falam em padronizar os textos, em formatos amigáveis como o HTML.
  • 10 dicas para manter o aluno, como centro das atenções: Como manter o design do conteúdo centrado nos alunos? Esse tipo de pergunta é respondida no texto. Por exemplo, use pouco texto e mais imagens para passar a mensagem.
  • 16 dicas para elencar regras de padronização do material: A escolha das regras para padronizar o material, deve levar em consideração vários fatores como o LMS, público-alvo e outros itens importantes.
  • 3 dicas de design e desenvolvimento para professores: O que um educador precisa fazer em relação ao uso dessas ferramentas? Aqui o texto mostra como evitar os erros mais comuns, cometidos por educadores em cursos a distância.
  • 6 dicas para LMS como Moodle, Xerte e eXeLearning: Aqui temos várias dicas sobre como usar ferramentas LMS para educação.
  • 7 dicas para criar estratégias de ead: Logo depois das propagandas, sobre as ferramentas da Adobe, vem uma parte interessante, falando sobre dicas de como criar estratégias para EAD. Os alunos devem estar cientes dessas estratégias, e o material não deve ser baseado apenas na conversão de apresentações em PowerPoint para Flash.

Como você pode perceber, o material é bem completo e ajuda muito na construção de uma metodologia de EAD. Claro que é necessário mais conteúdo, tudo está muito resumido e sem base científica. Mas já é um bom começo. Ao longo do livro, você perceberá uma grande quantidade de propagandas da Adobe, patrocinadora da iniciativa que gerou esse livro.

Se você quiser fazer o download, esse é um link direto para o arquivo PDF.

Seminário gratuito sobre como pensamento visual auxilia o aprendizado

Eu sei que essa semana que antecedo o Natal, todos só tem cabeça para pensar nos presentes e preparativos para festas, mas uma oportunidade como essa não aparece todos os dias. Na próxima quinta, dia 20 de dezembro as 14:00 pelo horário de Brasília, estará sendo realizado um seminário gratuito online, sobre como a visualização de imagens e as reflexões gerados por eles, influenciam os ambientes de educação a distância eletrônicos, leia-se aqui internet. O seminário terá como apresentadores e Tony Karrer e Dave Gray.

Tony Karrer é uma das figuras mais conhecidas e respeitadas no chamado e-learning, sendo além de professor, empresário com uma firma que presta serviços na área educacional.

Seminário online

Se você ainda não tem certeza, se o assunto abordado no seminário pode lhe interessar, resolvi fazer um pequeno sumário sobre os assuntos abordados.

  1. O foco do seminário é o pensamento visual e como esse tipo de pensamento se diferencia do design. Por exemplo, ao tentar elaborar um infográfico, precisamos visualizar como representar a informação e ao mesmo tempo facilitar a leitura das informações, com objetivos educacionais. Isso é pensamento visual.
  2. Como esse tipo de pensamento pode influenciar no projeto de design instrucional de um curso? Esse tipo de resposta e problema é abordado no seminário.
  3. Quais os requisitos para realizar esse tipo de material? Qualquer pessoa está apta a realizar o pensamento visual? Existem requisitos para preparar material com base nisso?
  4. Além de criatividade e conseguir mentalizar os processos, qual outra habilidade é necessária? Existe algum requisito relacionado ao desenho? E se a pessoa não conseguir desenhar?
  5. Como começar? Qual o primeiro passo?

Claro que a maior barreira, para a participação no seminário é a realização do mesmo em língua inglesa. Mas com um pouco de esforço é possível aprender muito. Logo após a transmissão ao vivo, o material estará disponível para download. Isso permite que depois da apresentação possamos escutar novamente o seminário, para sanar quaisquer dúvidas restantes.

Ficou interessado? Pois é necessário fazer uma inscrição online para participar. Caso você queira se inscrever no seminário, visite esse endereço. Não se esqueça, o seminário é na próxima quinta as 14:00, pelo horário de Brasília. Eu já fiz a minha inscrição!

Como lidar com conteúdo inapropriado em ambientes de educação a distância?

Cada vez mais os professores e profissionais que lidam com EAD, precisam aprender a lidar com uma verdadeira praga em ambientes eletrônicos, o conteúdo inapropriado. Isso acontece principalmente em dois tipos de ambientes, nos fóruns abertos nos sistemas LMS e nas Wikis. Em ambos os ambientes são os próprios alunos que adicionam informações, nas Wikis então o problema é ainda mais sério. Como teoricamente todos os alunos podem editar as páginas, em algumas situações é inevitável nos depararmos com material impróprio, ou que não tem relação nenhuma com o conteúdo das aulas. A pergunta que todos se fazem é; o que fazer?

Conteúdo inapropriado

Algumas instituições de ensino inclusive apresentam um pequeno termo, para que os alunos atestem estar cientes de que a publicação de conteúdo inadequado pode acarretar em exclusão dos ambientes de EAD. Pode até parecer uma atitude um tanto quanto drástica, mas isso abre a possibilidade de suspensões digitais para os alunos usem o espaço para o vandalismo.

Por mais que isso seja remediado, usando esse tipo de aviso, a maioria das intuições só consegue se livrar desse tipo de conteúdo, com o monitoramento constante do ambiente. Além do monitoramento, o conteúdo de ambientes colaborativos, como as Wikis, deve ser restrito enquanto ainda está sendo construído. Assim que o conteúdo atingir um grau de maturidade suficiente, ele deve ser congelado pelo administrador do sistema.

Esse é o policiamento usado pela Wikipédia, que também sofre esse tipo de vandalismo por pessoas interessadas em distorcer as informações. Os verbetes que atraem mais vândalos digitais são os voltados a fatos históricos e assuntos políticos. Alguns desses artigos não precisam mais de contribuições, o seu conteúdo já está completo. Então os administradores congelam a sua edição para evitar edição mal-intencionada do verbete.

Em ambientes educacionais, esse tipo de tarefa pode ser desempenhado pelos próprios alunos. Os chamados monitores de conteúdo devem ter acesso freqüente à internet, para acompanhar a edição e adição de conteúdo aos artigos.

Então aqui vai uma pequena lista de ações necessárias, para evitar problemas com conteúdo inapropriado:

  • Avise aos usuários sobre as penalidades, para quem adiciona esse tipo de conteúdo.
  • Algumas regras e limites devem ser estipuladas e comunicadas aos usuários
  • O acesso aos artigos e ambientes deve ser restrito, para evitar constrangimentos. Isso vale para Wikis, Blogs e o LMS.
  • Selecione alunos para atuar como monitores online. Eles devem policiar o ambiente.