Novos projetos e opções para cursos a distância no Moodle

Assim como acontece em todos os anos no início do verão do hemisfério norte, o Google começa a organizar o seu Google Summer of Code, que propõe a vários universitários de instituições de ensino superior, a participação em projetos de software aberto. Por exemplo, um estudante que esteja com tempo livre e queira participar do desenvolvimento desses softwares ou sistemas, pode receber financiamento em dinheiro para dedicar tempo e criar novas funcionalidades para esses sistemas. Todos os anos o Moodle e outros sistemas especializados em educação acabam recebendo parte desse financiamento, e tem um grande avanço na criação de funcionalidades e opções para seus usuários.

Quais os projetos e funcionalidades que devem ser adicionadas, ou ao menos propostas, para o Moodle esse ano?

Abaixo está à lista de propostas para novas funcionalidades para o Moodle, a lista original pode ser encontrada aqui.

  • Possibilidade de criar relatórios de participação personalizados
  • Gravação de áudio para reutilização em cursos no formato síncrono
  • Integração com o Google Gears (para usar o Moodle sem estar conectado a internet)
  • Exportar os dados da configuração do Moodle no formato XML, para reutilização em outros portais
  • Sistema de estatísticas e relatórios baseados em Flash, para prover maior interação visual nos relatórios
  • Ferramenta de desenho integrada ao editor de textos
  • Opção de formatar um curso no estilo de um blog

Entre todas essas opções, duas delas me chamaram a atenção e acredito que sejam as que mais tendem a contribuir, ao menos são visíveis para os alunos.

A primeira é a possibilidade de gravar arquivos de áudio no próprio Moodle, que vai permitir que os professores e tutores ofereçam cursos e material síncrono, e até mesmo façam prova oral a distância com seus alunos! Esse tipo de opção já existe no Moodle, você encontra um módulo dela no Moodle Playpen, ainda em fase experimental.

A outra opção é a formatação dos cursos em formato de blog, que deve ser mais agradável em relação ao que os alunos estão acostumados a encontrar na própria internet. O uso de blogs é muito comum hoje em vários projetos, o que deve minimizar os impactos para as pessoas que nunca usaram sistemas educacionais.

As propostas não garantem que os projetos sejam executados e finalizados, tudo ainda vai depender de algum estudante que queira assumir os projetos.

Só nos resta aguardar e torcer.

Leave a Reply