Quando o uso de conceitos é melhor que notas?

No processo de fechamento de notas para o final do semestre, os professores se deparam com um verdadeiro festival de notas, representando as diferentes escalas de aprendizagem de um aluno na sua disciplina. sempre que isso acontece, fico fazendo comparações entre os alunos que estão em escalas próximas, mas com diferenças significativas no aprendizado. Esse é um tema controverso e que não tem resolução simples, pois as metodologias de avaliação para o aprendizado ainda são motivo de muito debate e pesquisa.

Dois alunos com notas 6 e 8 respectivamente, estão próximos na escala de notas mas dependendo da disciplina em que os dois estão inseridos, e a maneira com que foram avaliados, um deles pode estar apto para o mercado de trabalho e o outro não! Por incrível que pareça, o mais apto pode ser o que tirou 6.

Algumas instituições d ensino profissional, adotam uma maneira diferente de avaliar seus alunos para evitar esse tipo de problema, que é o uso de conceitos ao invés de notas para avaliação. Por exemplo, em um determinado item de uma disciplina, o aluno recebe um conceito como “suficiente” ou “insuficiente”. Esse tipo de avaliação é muito mais dura com o aluno e exige altos níveis de análise por parte do professor, coisa que uma prova escrita não consegue transmitir.

Failure at technology, apparently

Repare que nesse exemplo não existe meio termo, ou o aluno sabe ou não sabe. Para quem precisa avaliar o aprendizado é muito mais simples, você não precisa ficar tentando adivinhar o que fez os alunos com notas 6 e 8 fizeram, ou deixaram de fazer para conseguir essas notas.

Outro ponto interessante sobre essa metodologia, quando o aluno é avaliado em uma disciplina, a mesma é quebrada em várias competências desenvolvidas pelo aluno ao longo da disciplina. Ele é então avaliado em cada uma dessas competências, para que no final possa conseguir ser aprovado na mesma.

O uso de conceitos na substituição de escalas em notas é um conceito moderno e eficaz para classificar e mensurar o aprendizado, sem deixar margem para interpretações errôneas.

Apesar de ser um modelo fantástico para quem analisa de fora, esse tipo de avaliação encontra sérias resistências por parte dos professores, acostumados a trabalhar com notas durante toda a sua vida, acabam não se dedicando ao processo. Como esse tipo de avaliação envolve em alguns casos a aplicação prática do que foi estudado, professores com perfil muito acadêmico e teórico, acabam tendo muita dificuldade na aplicação do modelo.

Ao mesmo tempo, a vantagem do conceito como forma de avaliação é o seu maior complicador. Com todos os contratempos, ainda acredito muito nesse tipo de avaliação como aposta para o futuro da educação.

One Response to “Quando o uso de conceitos é melhor que notas?”

  1. Olá Allan!

    Sua análise é corretíssima. Também acho que avaliar por conceito é mais adequado do que por notas.

    No Brasil, a principal dificuldade de se aplicar este modelo é a quantidade de alunos que, em média, um professor atende.

    A idéia de conceito implica num acompanhamento mais a fino do aluno. Impossível se você atende 400 alunos por semana.

    Enquanto a Educação for tratada “em escala Industtrial” as avaliações também serão. Notas, nada mais sâo do que o reflexo desta visâo de educação.

    Abraços

Leave a Reply