Aprendizagem baseada na resolução de problemas

Nos cursos a distância existem várias opções para apresentar o conteúdo aos alunos, desde o clássico modelo de “monologo”, em que o professor apenas discursa ou coloca um texto explicando a teoria até os modelos mais “modernos” como a aprendizagem baseada em projetos ou problemas. Entre todas essas, uma das que mais aproveita o ambiente a distância assíncrono é a aprendizagem baseada na resolução de problemas, ou pela sigla em inglês PBL (Problem Based Learning). Sempre que posso, recomendo aos professores que ainda estão se adaptando aos ambientes virtuais de aprendizagem a converter as suas aulas tradicionais e no modelo monólogo, em formatos que apresentem problemas a resolver.

Ensinar com base na resolução de problemas tem muitas vantagens, a primeira e mais obvia é que fica impossível apresentar problemas para resolver sem contextualizar. Quem escolhe trabalhar com esse modelo é praticamente obrigado a contextualizar, assim o aprendizado fica claro para a maioria dos alunos. Outra vantagem do modelo é a preparação para o mercado de trabalho, como os problemas geralmente têm relação direta com o mercado de trabalho, alunos de cursos profissionalizantes e universitários se formam com uma boa base de aprendizado prático e teórico.

Microsoft Research TechFest 2007

Para quem quiser saber um pouco mais sobre o histórico desse modelo de ensino, existe um excelente artigo falando sobre como ele surgiu e dando dicas sobre sua aplicação, você pode acessar o mesmo aqui.

O artigo define até alguns estágios para usar nesse tipo de aprendizado, que pode ser de grande auxílio para quem quiser implementar o modelo em suas aulas. Os estágios são os seguintes:

  1. Definição: Apresente o problema com o máximo de detalhes aos alunos, para que eles possam entender o que deve ser resolvido.
  2. Análise: Com o problema apresentado agora é hora de analisar os fatos e fazer o famoso brainstorm.
  3. Pesquisa contextual: A análise do problema deve ter gerado demandas ou assuntos a pesquisar, para poder chegar à solução. Essa fase envolve pesquisa com os alunos, sobre documentos e textos sobre os tópicos abordados. Aqui eles realmente precisam aprender sobre os assuntos pesquisados.
  4. Pesquisa da solução: Agora que o material de pesquisa está selecionado, os alunos podem reunir as informações da maneira necessária para resolver o problema.
  5. Síntese: Pronto, na última fase eles podem apresentar a solução para o problema.

Essas fases podem ser aplicadas a praticamente qualquer tipo de ambiente e assunto, tudo vai depender do professor e do problema apresentado. No artigo indicado, eles até estipulam tempos para cada uma das fases, mas tudo vai depender do professor.

Se você nunca usou esse tipo de metodologia, ela é altamente recomendada! Já usei ela para cursos a distância e os resultados foram ótimos, os alunos conseguiram desenvolver um senso de independência fantástico.

One Response to “Aprendizagem baseada na resolução de problemas”

  1. Gostei muito desse assunto que fala sobre ensino a distância.
    Gostaria de saber também sobre: o uso do infográfico como facilitador da aprendisagem no ensino a distância.
    É um assunto que gostaria de saber, pois estou fazendo minha conclusão de curso nessa área.
    Até mais

Leave a Reply