Quando a narração em áudio é realmente necessária?

Estava lendo alguns artigos sobre design instrucional, quando encontrei um texto muito bom, sobre o uso de narração em áudio, para ambientes de aprendizagem à distância. Essa é uma dúvida muito comum, enfrentada por professores e designers instrucionais. Quando uma aula é roteirizada e planejada, para ambientes na web, alguns professores querem usar material multimídia. Isso é louvável, facilita muito o acesso e proporciona comodidade aos alunos. Como a maioria das pessoas, infelizmente não gosta de ler longos textos, quando o professor narra o conteúdo, as coisas ficam mais fáceis.

Mas será que o áudio é necessário em todos os momentos de um curso?

Microfone - narração em áudio

A resposta é não! Em algumas ocasiões o áudio pode até atrapalhar.

No artigo que citei no início, a autora, chamada Cathy Moore, cita alguns usos interessantes sobre quando usar o áudio e os seus impactos. Ela cita três pontos interessantes, sobre o uso do áudio:

  • O uso intenso de imagens com o áudio resulta em uma imposição ao aprendizado. O aluno não tem controle sobre o que ele quer aprender, ele se vê forçado a assistir todo o conteúdo apresentado pelo professor.
  • O uso de textos com silêncio na narração, passa ao aluno a sensação de controle. Ele pode escolher quais os textos são importantes para o seu aprendizado.
  • A narração em áudio impõe apelo cultural. Quando alguém narra um assunto, o seu linguajar deixa claro que ele é oriundo de uma determinada região. Por exemplo, um texto narrado por um carioca, seria facilmente detectado por alguém que conheça o sotaque característico daquela região.

Concordo com o texto da Cathy Moore, acho que ela descreveu bem o impacto do uso da narração. Quando converso com os professores, para elencar os assuntos que precisam de uma narração, sempre enfatizo que eles devem escolher os mais importantes. Como o assunto é de suma importância para a disciplina, nesse ponto é importante que o aluno não tenha escolha e assista a toda a apresentação. Caso ele não faça isso, a seqüência da disciplina pode ficar prejudicada.

O material em texto, que forma a maior parte do conteúdo de um curso, acaba sendo um complemento, para assuntos que não são tão importantes. Se você pretende começar a produzir material em áudio, cuidado com os aspectos culturais. Material em texto não apresenta esse tipo de apelo cultural, principalmente para cursos ministrados em âmbito nacional.

Então agora você já tem parâmetros para decidir, quando é o melhor momento para usar narração em áudio, voltado a cursos à distância. Pode até parecer um fator positivo, gravar tudo em áudio, mas esse pode ser um fator desestimulante para os alunos, sem falar que eleva o custo e o tempo de produção das aulas.

Esse é mais um texto, que ajuda a justificar as decisões de design instrucional.

One Response to “Quando a narração em áudio é realmente necessária?”

  1. Bom, aqui eu teria uma sugestão para dar.
    Eu costumo usar audio em quase todas as telas de aula e procuro ser mais resumida nos textos de tela . Acho que assim podemos suprir melhoir os diferentes canais de percepção (visual, auditico e cinestésico). Mas pra não forçar o aluno a ouvir toda a locução, a aula avança e retrocede livremente, sem que o aluno precise ouvir a locução até o final. Além disso, coloco hiperlinks de àudio. Por exemplo, se temos a imagem de uma estrutura celular, indico as estruturas em forma de texto e, ao clicar em cada uma delas, aparece um texto explicativo e o aúdio. Além disso, a aula sempre tem um botão para ativar/desativar o áudio.

    Acho que quem prende mais o aluno é o vídeo. Daí não tem jeito. Como vídeo é o que pretendo focar mais agora, estou testando vídeos não-lineares, onde o usuário pode selecionar a navegação com o controle do DVD (mas não usei isto ainda numa plataforma LMS).

    Abraços,
    Pamela

Leave a Reply